quinta-feira, 26 de maio de 2016

ASSOCIAÇÃO PRESENTE

É COM MUITO ORGULHO E SATISFAÇÃO QUE DAMOS NOTORIEDADE PÚBLICA A DIGPREST - ASSOCIAÇÃO SOS BOMBEIROS 






Para tristeza de nossos concorrentes e felicidade dos que necessitam, estamos de volta com força total!


NOVO ENDEREÇO: 
Visando maior segurança, comodidade e conforto mudamos para:
Rua Dias da Cruz N 155 Cobertura II - Méier


O MESMO TELEFONE: 

(21) 3106-6891





NOVO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO:


Visando a possibilidade do militar fazer a passagem de serviço e poder chegar até a associação, ou ir após o expediente, mudamos o horário de funcionamento. Manhã 10:00 às 12:30h e tarde de 13:30 às 18:00h.  



OS SERVIÇOS PRESTADOS MELHORARAM:


Além dos antigos, temos mais 2 novos convênios:

MICROLINS INFORMÁTICA(Unidade Guadalupe)

YES curso de inglês (unidade Guadalupe)





E MAIS:

- Campanha de arrecadação para inativos e pensionistas que estão sem salário (inativo, cadastre-se para receber ajuda)

- Campanha de doação de cadeiras de roda e outros utensílios para deficientes físicos (cadastre seu parente, amigo vizinho em fim, QUALQUER necessitado);


E claro, nossa já famosa assessoria jurídica bombando a todo vapor. 

Se você ainda não se filiou, não perca tempo, venha para DIGIPREST  fazer parte da família SOS Bombeiros, porque somente juntos, somos fortes!

quarta-feira, 25 de maio de 2016

NO GSE, ADJUNTO TAMBÉM ATUA NO RANCHO

Por determinação da Tenente Coronel Ana Queiroz no GSE o adjunto do oficial de dia acumula a função de auxiliar de rancho também.


Medida nasceu de um acordo entre a ilustre comandante e o comandante do destacamento do catete, mas será que combinaram com o comandante do 1º GBM - Humaitá também???


E com os militares que irão acumular tais funções???


Pois é... acordos entre chefes no CBMERJ é assim...




SOS BOMBEIROS: Alguém já tinha visto isso em algum lugar???

DESCANSE EM PAZ GUERREIRO

UMA HOMENAGEM AO SUBTEN PM CLÓVIS, O IDEALIZADOR DA PEC 300



No dia 22 nos deixou o Subtenente PMESP Clóvis de Oliveira idealizador da PEC 300 (PEC 446).

Nossos sinceros pêsames aos familiares e amigos.

Ele foi um digno exemplo para todos nós.

Um Policial Militar que lutou bravamente para a obtenção de melhorias para os Policiais Militares e Bombeiros Militares de todo Brasil.


segunda-feira, 23 de maio de 2016

FUTURO DO CBMERJ PODE SER DEFINIDO HOJE

Reunião entre chefes do Executivo e do Legislativo do Rio está marcada para esta segunda-feira




Nesta segunda-feira, o presidente da Assembleia Legislativa do Rio(Alerj), Jorge Picciani (PMDB), tem um encontro marcado com o governador em exercício, Francisco Dornelles. O chefe do Legislativo espera que a reunião sirva para que o governo apresente, enfim, o que planeja sobre os cortes de custos para aliviar as contas estaduais.

Até o fim da última semana, Picciani seguia sem qualquer indicação do Executivo sobre que secretarias seriam incorporadas ou desmontadas. O peemedebista espera, também, que o governo já apresente um número prévio sobre o que pretende economizar com as reduções.
Membros do PMDB enviaram ao Executivo sugestões sobre onde deveriam ser feitos os cortes de secretarias e de cargos comissionados. A sugestão não agradou a Picciani, que achou a atitude dos colegas de partido “afobada”.
Fonte: Extra Online


SOS BOMBEIROS: Dentre os assuntos a serem tratados está incluso o desmembramento de algumas secretarias. Possivelmente a extinção da secretaria de defesa civil aglutinando a na saúde.

domingo, 22 de maio de 2016

13º SALÁRIO DOS SERVIDORES SÓ EM DEZEMBRO. E COM MUITA SORTE...

Governo do Rio confirma que adiantar parcela do 13º salário não está nos planos




O governo do estado não pensa em adiantar a primeira parcela do 13º salário de 468 mil servidores públicos (incluindo aposentados e pensionistas) com direito ao benefício em 2016, como vinha acontecendo nos últimos anos, sempre em julho. A informação foi dada pelo ainda secretário de Planejamento, Francisco Caldas, que deverá deixar o cargo nos próximos dias, por conta da fusão de sua pasta com a Secretaria de Fazenda.


— Não estamos pensando nisso. O foco é pagar o salário de maio. Vale lembrar que houve uma época em que o governo pagava o 13º integralmente em dezembro. Quando o Estado teve uma colher de chá fiscal, ficou decidida, como maneira de premiar o servidor, a antecipação da primeira parcela para julho. Mas voltamos a entrar numa situação difícil, e nossa preocupação exclusiva é fechar a folha de maio, o que está muito difícil — disse Caldas ao EXTRA.


A Secretaria de Fazenda confirmou que não há qualquer previsão sobre o adiantamento da parcela do 13º salário. Tanto é que a antecipação não está prevista no calendário formulado pelo governo. Em 2015, o Estado conseguiu antecipar a primeira parcela em julho. No fim do ano, porém, não pôde arcar com a segunda parte do benefício. Os servidores tiveram que lidar com o parcelamento do abono em cinco vezes, de dezembro a abril de 2016. Os que precisavam com urgência do pagamento recorreram ao adiantamento via empréstimo consignado do Bradesco, com encargos custeados pelo governo.
Sobre a folha de maio, marcada para ser quitada até o dia 14 de junho, Caldas confirmou que também não há qualquer previsão de como se dará o pagamento:

— Ainda não temos uma posição sobre o pagamento do próximo mês. Fizemos um esforço muito grande para fechar abril. Como ficará o pagamento dos servidores? É uma questão de Tesouro, mas estamos procurando maneiras de fechá-la integralmente. A nossa ideia é pagar a todos, ativos e inativos, mas insisto, ainda não tenho esta resposta.
A expectativa do governo é ter uma previsão mais concreta sobre a folha de maio ao longo da semana.


O drama do estado e as alternativas

Salário de maio

O governo deve ter as primeiras projeções sobre o quanto terá que dispor para arcar com a folha de maio durante a próxima semana. Do governador Francisco Dornelles aos secretários, o discurso é o de que haverá “extrema dificuldade” de pagamento.


Repasse aos poderes

A partir desta semana, começará a correr o prazo para que sejam feitos os repasses constitucionais aos poderes. O Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), o Ministério Público do Rio (MP-RJ) e a Defensoria Pública aguardam as transferências. Para quitar os salários de abril, os três entes garantiram suas parcelas por meio de medidas judiciais. Os órgãos têm que pagar seus servidores até o último dia útil do mês trabalhado. Já o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) e a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), que também têm direito aos repasses, aceitaram o pedido do governo e devem aguardar até o 10º dia útil do mês seguinte ao trabalhado.
Parcela do 13º salário

Como revelaram o secretário Francisco Caldas e a Secretaria de Fazenda, não há qualquer previsão de adiantamento da primeira parcela do 13º salário. A maior preocupação do governo é pagar os salários mês a mês. Caldas lembrou que o adiantamento foi uma “colher de chá” dada aos servidores enquanto a economia oferecia condições para isso.


Mudanças no Executivo

O governo mostrará, nos próximos dias, quais serão as mudanças feitas nas secretarias. A ideia é fundir pastas, como é o caso da Fazenda e do Planejamento, e incorporar determinados setores a secretarias maiores. Outra opção é a fusão de empresas públicas.
Corte de comissionados
Segundo o governo, apenas 14 mil funcionários podem ser exonerados hoje. Deste total, uma parcela é considerada de “extrema importância”. Ao EXTRA, o secretário de Planejamento, Francisco Caldas, disse que a economia com o fim destes cargos seria pequena diante do rombo de R$ 20 bilhões no orçamento.


Especialização

A estimativa é que, por ano, sejam gastos cerca de R$ 580 milhões com cargos comissionados. O total refere-se aos 14 mil cargos, número apresentado pelo governo. Secretarias ainda reforçam que, neste grupo, há funções que poucos servidores conseguiriram realizar, caso da área de Tecnologia da Informação.


Reestruturação

O segundo passo para a reestruturação prevista pelo governo é enviar à Alerj, nos próximos meses, uma proposta sobre a reorganização do funcionamento de fundações e autarquias. O projeto será semelhante ao enviado no início do ano à assembleia. Desta vez, promete o governo, o texto incluirá a economia com os cortes.


Aumento das contribuições

O aumento da contribuição previdenciária por parte dos servidores — de 11% para 14% — voltará a ser discutido na Alerj nos próximos meses. A Secretaria de Planejamento confirmou que essa questão é de extrema importância para dar fôlego ao Rioprevidência: “O que queremos discutir não é se está certo ou errado. Estamos diante de um problema e falamos sobre a sustentabilidade previdenciária. Independentemente do futuro, isso garantirá mais recursos para a Previdência”, disse Francisco Caldas.


Reajustes

Sobre possíveis aumentos salariais, a previsão não consta do planejamento do governo do estado até 2019. O Executivo reforça que essa previsão acontece tendo em vista a manutenção do nível de receitas. Em entrevista recente ao jornal “O Globo”, o governador em exercício, Francisco Dornelles, reforçou que não há possibilidade de oferecer um aumento aos professores estaduais. A categoria cobra um reajuste para encerrar a greve que dura quase três meses (a paralisação teve início em 2 de março).


Lei de Responsabilidade fiscal (LRF)

O momento é de “racionalidade” segundo integrantes do governo. O Estado vai analisar o comprometimento da Receita Corrente Líquida em junho para saber se o Rio vai ultrapassar o limite de 49% de gasto com pessoal. O detalhe é que, a partir de junho, o Estado vai incluir na conta os gastos feitos pelo Tesouro Estadual com o Rioprevidência. Até 2015, segundo dados do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ), o comprometimento da folha com pessoal chegava a 33,48%. A análise é usada por categorias de servidores para questionar a intenção do governo de seguir a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).


As medidas da LRF

A LRF prevê, inicialmente, o corte de 20% dos cargos comissionados. Caso a medida não diminua a parcela da receita gasta com pessoal, o próximo passo é demitir funcionários sem estabilidade. A última opção prevista na lei é a exoneração de servidores ativos.


Questão jurídica

Chefe de Planejamento, Francisco Caldas adiantou que “tudo é inédito” a respeito das questões da LRF. Um tema que suscita dúvidas refere-se aos cargos “sem estabilidade”. Aqui entram os servidores temporários e, segundo Caldas, há uma avaliação de que os em estágio probatório possam ser enquadrados na categoria. O secretário, porém, reforçou que tudo será esclarecido pela Justiça.


Contrapartida

Está em discussão, em Brasília, o projeto de lei de refinanciamento das dívidas dos estados. Neste projeto, estão previstas contrapartidas estaduais que afetam o funcionalismo. As assembleias estaduais terão de discutir projetos que aumentam a contribuição previdenciária dos servidores. Além disso, os governos estaduais terão de suspender a admissão e a contratação de pessoal, até mesmo de empresas públicas. Outra proibição será o congelamento de salários.


Movimento de servidores

Diante da situação vivida pelo Estado do Rio, os servidores fluminense iniciaram, na semana passada, a campanha “Luto pelo Rio”. A ideia é distribuir fitas pretas à população e mostrar os problemas vividos pelos funcionários públicos. As categorias que encerraram greves recentemente prometem novas ações, caso aconteçam atrasos.

SOS BOMBEIROS:  O Estado do Rio de Janeiro está morrendo. Nos parece que uma das alternativas a ser consideradas é a retirada deste governo do poder. Já deu o que tinha que dá, o Estado está sem governo, falido, endividado, sem rumo, completamente desorientado e sem saber o que fazer. 


sábado, 21 de maio de 2016

RECEBA DE VOLTA OS VALORES DO IMPOSTO DE RENDA TRIBUTADOS INDEVIDAMENTE

VOCÊ TEM A RECEBER VALORES A PARTIR DE R$8.000,00 REAIS

INFORMATIVO:

Como sabem o imposto de renda do funcionalismo público é retido na fonte, e baseado no vencimento bruto.

Todavia o estudo do Decreto Federal 3000/99 , Art 39 em seus diversos parágrafos desconsidera como tributável:

-Ajuda de custo;
-Transporte;
- Frete;
- Locomoção;
- Moradia;
-Alimentação;
-Bolsa de Estudos;
- Alguns outros benefícios de caráter indenizatório.

No caso especifico de policiais civis e militares e bombeiros militares, era feito o desconto incluindo o auxílio moradia.
Através de ações anteriores, em 2016 o estado reconhece o desconto indevido e no mês de Abril, cessa a arrecadação sobre esse benefício, o que já é uma  pequena vitória do servidores.

Outro detalhe que nós observamos é que o auxílio transporte, que só entrou no orçamento do Bombeiro Militar a partir de 2013, e portanto não fez parte das ações anteriores não entrou na anistia do IR, embora seja claramente indevido de acordo com o mesmo decreto. 
Logo; 

Queremos receber de volta o que nos foi descontado indevidamente,

Queremos a não tributação sobre o Auxílio transporte.




QUEM TEM DIREITO?

Bombeiros militares da ativa e da reserva: ressarcimento do IR recolhido sobre o auxilio moradia e auxílio transporte, 
Policiais militares da ativa e da reserva: ressarcimento do IR recolhido sobre o auxilio moradia;

Demais servidores: ressarcimento do IR recolhido sobre o auxilio moradia (caso sua categoria possua esse benefício ou similar),  ou qualquer um dos outros benefícios listados a cima que tenha sido tributado.

Sendo assim, se o prezado leitor  deseja receber de volta os últimos 5 anos (infelizmente é tudo o que podemos requerer por força de lei) de contribuição indevida nós faremos essa ação questionando a natureza administrativa da recolhimento junto ao estado pra você.

Portanto senhores, sejam praças ou oficiais, sejam militares ou civis, da ativa, da reserva, aposentados, reformados, ou pensionistas, essa é mais uma maneira que encontramos de tentar ajudar nossa tropa e demais servidores mediante a crise que estamos vivendo.

Não perca mais tempo e descubra um lugar sem estrelismo onde gente simples, cidadãos de bem como nós, encontram um porto seguro para se protegerem mutuamente e lutarem pelos seus direitos, porque somente juntos somos fortes.

Os nossos  sócios-contribuintes pagarão apenas metade do previsto em honorários ao final do processo! (ou seja 15% do valor recebido) os demais (não sócios) também podem mover, porém arcarão com a despesa da consulta ao advogado R$ 100,00 e mais 30% ao final do processo.

Documentos necessários:

Cópias simples do RG, CPF e Contracheques (este de preferência digitalizado no formato PDF), se possível dos últimos 5 (cinco) anos, sendo os contracheques de maio de 2011 pra frente. Porem, nada impede de entrarmos com a ação apenas com contracheques atuais e juntar os mais antigos no curso do processo.


Além dos documentos, será necessário assinar uma procuração e uma declaração para obtenção da Gratuidade de Justiça e um contrato (para os que não são sócios)


Ligue e agende uma consulta com nossos advogados. 

ASSOCIAÇÃO SOS BOMBEIROS
(DIGPREST)
Rua: Dias da Cruz nº 155 cobertura II  - Méier
Aberta de 10:00h às 12:30 e de 13:30 às 18:00h 
Tel: (21) 3106-6891

sexta-feira, 20 de maio de 2016

CBMERJ CORRE RISCO DE PERDER SECRETARIA DE DEFESA CIVIL

Uma das primeiras conquistas do movimento SOS BOMBEIROS em 2011 foi o regresso da corporação para a secretaria de defesa civil, saindo da sucateada secretaria de saúde, onde nem no organograma do Estado nós aparecíamos.

Lembram de seu ex-secretário? Sérgio Cortez, Guardanapo, gangue... pois bem, nos livramos disso tudo e agora podemos perder mais uma vez nossa identidade.


Todos mobilizados na escadaria da ALERJ em defesa dos 439 militares que encontravam-se presos em Charitas por terem ocupado o quartel central


Alerj propõe reduzir 11 pastas


Francisco Dornelles, governador em exercício do Rio, está estudando a proposta



Rio - A proposta para o governo estadual enxugar secretarias, enviada pelo presidente da Comissão de Tributação da Alerj, deputado Luiz Paulo Corrêa (PSDB), prevê a redução de 11 das 14 pastas atuais. O documento também foi assinado pelo líder do PMDB na Casa, André Lazaroni, e inclui ainda a recomendação de corte de 20% dos cargos comissionados extra-quadro do estado. 

Luiz Paulo ressalta que as medidas não vão solucionar de vez a crise no estado, mas podem ser o caminho para começar a enxugar gastos. “As medidas podem ser adotadas pelo Executivo e seguidas pelos outros poderes”, disse ele, lembrando também que a iniciativa esbarra em acordos políticos, já que muitos cargos foram destinados a integrantes de partidos aliados ao governo. 

Francisco Dornelles, governador em exercício do Rio, está estudando a proposta. Ele, no entanto, avalia a eficácia do corte de pastas, já que a estrutura delas seriam mantidas, acarretando em despesas.

De 25 pastas, o Rio passaria a contar com 14, com as seguintes fusões: secretarias de Prevenção à Dependência Química e de Defesa Civil iriam para a Saúde; secretarias de Obras, Transporte e Habitação para Infraestrutura; Turismo e Trabalho para Desenvolvimento Econômico; Secretaria de Governo para Casa Civil; Defesa do Consumidor para Ação Social; Abastecimento e Pesca para Agricultura e Administração Penitenciária para Segurança Pública.
Fonte: O Dia Online

SOS BOMBEIROS: Sermos submetidos mais uma vez a um paisano, que provavelmente não sabe nada de defesa civil, ficar sem verbas próprias para investir na corporação, ter limitações para utilização do FUNESBOM, em fim, uma grande tragédia e retrocesso.

E nessa história toda, o comando sabe que não tem forças para combater tal intenção; mas se ao menos eles não criasse problemas para nós irmos a luta defender, já seria um grande negócio. Secretaria de Saúde? todos perdemos.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

CINCO ANOS DE SUFOCO PARA POLICIAIS E BOMBEIROS

A cada nova notícia, piora a nossa situação.




"Jornal Extra" 
Presidente do Rioprevidência prevê meia década de sufoco para pagar beneficiários: ‘Nós esgotamos todas as nossas opções’ 
Bruno Dutra e Nelson Lima Neto 

Presidente do Rioprevidência, Gustavo Barbosa é sincero quanto ao tamanho da crise enfrentada pelo governo do Estado. Em entrevista ao EXTRA, o contabilista e especialista em fundos de pensão garante ter esgotado todas as possibilidades de cortar gastos e aumentar receitas do fundo. E o cenário, que hoje já é assustador, tende a continuar assim por, no mínimo, cinco anos.
Hoje, o que o Rioprevidência pode fazer para amenizar o déficit nas contas?

Nós esgotamos todas as nossas opções. Se não tivéssemos feito as operações financeiras dos últimos anos, talvez esse cenário negativo já pudesse ter acontecido. É uma tendência. Houve uma conjuntura, em 2015, em que tivemos queda de arrecadação com royalties de petróleo e participações especiais (compensações pagas pela União aos estados produtores), além da queda de arrecadação do Estado Não tenho previsão de aumento da arrecadação com os ativos do fundo, ao passo que as despesas aumentaram em mais de 200% com o reajuste dos benefícios. Não posso dizer que existe uma solução mágica. É uma luta diária. Eu sou gestor de fluxo de caixa. O alento é que a curva do déficit não aumentará para sempre. O processo é para os próximos anos." 
Fonte: SOS POLICIAIS

SOS BOMBEIROS: Todos os alertas e atenção aos passos do governo. Se piscarmos corremos o risco de perder muitos direitos. Vamos ficar ligado!!!

quarta-feira, 18 de maio de 2016

SAIBA O QUE FAZER CASO TENHA SIDO COBRADO DUAS VEZES POR PARCELAS DE EMPRÉSTIMOS

Servidores do Estado sofrem com cobrança dupla sobre empréstimos consignados




Logo no mês em que o Estado do Rio cumpriu o calendário de pagamento no 10º dia útil, alguns servidores enfrentam outra dor de cabeça. Funcionários entraram em contato com a coluna e reclamaram da cobrança duplicada de parcelas mensais de empréstimos consignados. Eles tiveram descontadas as prestações em seus contracheques e, além disso, foram debitados pelos bancos onde têm contas-salário.

A coluna procurou o governo para saber se realmente havia o problema. A Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) explicou que realmente podem acontecer cobranças duplicadas. O problema é que depende do servidor a retificação da cobrança extra.

“Nesse caso, o servidor deve comparecer ao banco e solicitar, por escrito, o imediato ressarcimento da parcela descontada”, afirmou a Seplag em nota.

Caso os servidores não sejam estornados da cobrança indevida, o jeito será formalizar uma ocorrência na unidade de recursos humanos de onde está matriculado e seguir diversos passos previstos pela Lei 45.653.

A Associação Brasileira dos Bancos (ABBC) disse que, atém ontem, não houve qualquer alteração sobre o atraso do repasse, por parte do Estado do Rio, dos valores dos consignados. Não custa lembrar que, em abril, a ABBC revelou que a dívida do Rio com o banco era de R$ 1,5 bilhão. A associação aguarda uma reunião com o secretário de Fazenda para tratar da situação.
Fonte: Extra Online


SOS BOMBEIROS: Eles criam o problema e sua resolução depende exclusivamente do servidor. Gastos com deslocamento e tempo em filas de espera são algumas das situações que aguardam os trabalhadores. Eita Estado injusto!!!