sexta-feira, 5 de junho de 2015

MÁ GESTÃO DOS RECURSOS DA TAXA DE INCÊNDIO É CAPA DO GLOBO

Apenas 23% da taxa de incêndio foram aplicados na modernização do Corpo de Bombeiros em 2014.


A taxa é a principal fonte de recursos da instituição e tem como objetivo garantir fundos para a manutenção de suas atividades

POR LUIS ERNESTO MAGALHÃES




RIO - Ao longo de pelo menos três meses deste ano, o Corpo de Bombeiros usou pás emprestadas de helicópteros da Polícia Civil para que um de seus aparelhos permanecesse em atividade. As peças foram devolvidas no fim de abril, mas, hoje, apenas duas das quatro aeronaves da corporação são utilizadas em operações. Enquanto o Corpo de Bombeiros afirma que dois de seus helicópteros se encontram em manutenção, militares ouvidos pelo GLOBO dão outra versão: eles dizem que as aeronaves não vêm sendo consertadas e que faltam verbas para os reparos. Sem esses aparelhos, houve redução no número de voos de treinamento para salvamentos. O problema, porém, não parece ser provocado por falta de recursos. No ano passado, os bombeiros arrecadaram R$ 182 milhões com a cobrança da taxa de incêndio. Só que, desse total, apenas R$ 41,7 milhões (22,92%) foram gastos na modernização de equipamentos e na construção ou reforma de instalações.

VEJA COMO OS RECURSOS SÃO APLICADOS

O valor aplicado em melhorias é inferior ao que foi gasto em 2014 com a manutenção do hospital da corporação: R$ 56 milhões. Instituída no Rio de Janeiro em 1981 e também cobrada em outros estados da federação — incluindo São Paulo e Minas Gerais —, a taxa é a principal fonte de recursos do Corpo de Bombeiros e tem como objetivo garantir fundos para a manutenção de suas atividades. Mas mudanças na legislação ampliaram o leque de gastos que podem ser cobertos pelo tributo. Atualmente, os recursos podem ser usados tanto para renovação da frota e aquisição de plataformas quanto para despesas do dia a dia, como compra de sacos para cadáveres e pagamento de diárias, passagens ou mesmo resmas de papéis. Até o protetor solar usado pelos homens do Grupamento Marítimo é bancado pela verba, que financia ainda a Defesa Civil do estado (que recebeu R$ 61,4 milhões em 2014).

MUDANÇA NA LEGISLAÇÃO

Para este ano, a previsão é que o total arrecadado com a taxa de incêndio chegue a R$ 193,2 milhões. As informações sobre as aplicações dos recursos obtidos com a cobrança do tributo constam de relatórios obtidos pelo gabinete do deputado estadual Comte Bittencourt (PPS) no Sistema de Informações Gerenciais da Secretaria estadual de Fazenda.

— O objetivo original da taxa era equipar a corporação, e não usar parte expressiva do dinheiro para manter a máquina. Muitos dos recursos para o dia a dia deveriam vir diretamente do caixa estadual. Mas as mudanças na legislação tornaram subjetiva a forma como o dinheiro pode ser gasto — afirmou o parlamentar.

Desde 1988, a arrecadação proveniente da taxa de incêndio vai para o Fundo Estadual dos Bombeiros (Funesbom). Inicialmente, o Funesbom era administrado pela Secretaria de Fazenda. Em 1988, a gestão das verbas passou a ser feita pela corporação, que, naquele ano, anunciou uma série de investimentos para reequipar os quartéis. O Funesbom também conta com outras fontes de recursos, mas a principal receita sai da taxa de incêndio. No ano passado, os R$ 182 milhões arrecadados com o tributo corresponderam a 69,59% de todas as despesas pagas (R$ 261,5 milhões) pelo fundo.

Em 2011, na última mudança proposta pelo governo do estado, aprovada pela Assembleia Legislativa em meio a uma greve na corporação — que culminou na invasão do quartel central por soldados —, o Funesbom passou a bancar despesas de pessoal referentes ao pagamento de gratificações. As novas regras reduziram de 75% para 70% o percentual mínimo que deve ser destinado não somente para manter e reequipar a corporação, mas também para pagar as despesas do dia a dia e manter a Defesa Civil.

No ano passado, o fundo pagou R$ 1,6 milhão em contas de telefones fixos e celulares, cerca de R$ 25 milhões de rancho para alimentar a tropa e R$ 50,5 milhões de despesas com pessoal. Por outro lado, investiu mais de R$ 40 milhões em novas plataformas e equipamentos de resgate em incêndios. O Funesbom arcou ainda com gastos como R$ 722 mil em sacos para remover cadáveres, R$ 86 mil em protetores solares e R$ 252 mil em diárias e hospedagem para 35 militares que foram realizar um treinamento nos Estados Unidos.

As supostas más condições dos helicópteros da corporação foram denunciadas pelo major e vereador Márcio Garcia (PR), ligado ao movimento S.O.S. Bombeiros. Suas palavras foram endossadas por militares que atuam no grupamento aéreo. De acordo com eles, o Corpo de Bombeiros chegou a ter seis aeronaves, mas duas saíram definitivamente de operação após acidentes e não foram repostas. Segundo esse grupo, um dos aparelhos que estão em operação é usado para transportar equipes médicas que ajudam no resgate de feridos. Em caso de necessidade de mais aeronaves para uma ação de salvamento, a alternativa é pegar carona num helicóptero da PM ou da Polícia Civil. Caso não haja um aparelho disponível, as equipes têm que escolher quem socorrer.

— Infelizmente, o grupamento aéreo parece não ser uma prioridade. A gente vai tentando remediar. Nós pegamos pás emprestadas para reativar uma das aeronaves enquanto um helicóptero em condições de voo passava por manutenção. O conjunto de três pás custa 150 mil dólares (R$ 450 mil), fora as despesas com revisão — comentou um oficial ouvido pelo GLOBO, que trabalha há anos no grupamento.


Por meio de uma nota, o Corpo de Bombeiros negou que faltem recursos para investimentos ou reparos. A corporação afirmou ainda que não será afetada pela crise financeira do estado. O empréstimo das pás de helicóptero não foi comentado. Segundo o Corpo de Bombeiros, a verba do Funesbom é suficiente “tanto para a renovação quanto a ampliação de equipamentos e unidades”.

De acordo com a corporação, com 70% dos recursos disponíveis para investimentos, foi possível inaugurar destacamentos em Arraial do Cabo e São Gonçalo. “Ainda estão previstas para 2015 novas unidades em Seropédica, Mesquita, Mendes, Bom Jesus de Itabapoana, Natividade e Mendes”, diz a nota. O Corpo de Bombeiros também destacou que foram contratados 700 motoristas, soldados e técnicos de enfermagem em 2014. Para este ano, a previsão é preencher 300 vagas de salva-vidas.

A corporação afirmou que, em 2014, a arrecadação poderia ter chegado a R$ 353,4 milhões se não fosse a inadimplência, que correspondeu a 36% do total cobrado, cerca de R$ 90 milhões.


SOS BOMBEIROS: Infelizmente a assessoria de imprensa do CBMERJ mente descaradamente. Todos sabemos que o investimento não é integral na aquisição de equipamentos. Basta fazer uma simples averiguação nos equipamentos de proteção individual das guarnições, principalmente nos quarteis da baixada fluminense.

O comando geral fica refém dos desmandos do governo, pois como é indicado ao cargo comissionado, perde totalmente sua autonomia de requerer do estado verbas para custear o que é de obrigação dele fazer. A solução então é deixar de investir em aeronaves, roupas de aproximação para todos os integrantes das guarnições, Mascaras autônomas de respiração, viaturas tanto para o socorro quanto para treinamentos, (na escola de bombeiros nunca há uma disponível para treinamento), a se indispor com o chefe do executivo.

Investir num pátio de queima para instrução (porque o que existe tanto no GBS quanto no complexo de ensino estão sempre alugados para empresas particulares), aparelhos extintores de incêndio para instruções e uso nas unidades, equipamentos de salvamento (cordas, mosquetões, aparelhos oito, cintos cadeiras, luvas, capacetes e outros mais).

A bola da vez agora é o GOA que está quase fechando as portas por falta de investimento e verba do estado. Como já denunciamos aqui, o ilustre superintendente administrativo Cel BM Idilberto se naga a investir qualquer coisa além do que o previsto em aeronaves. A tripulação não têm voado para treinar (assim evitam gastar horas de voo gerando menos manutenções), os pré voos agora serão somente nos finais de semana (isso é perigosíssimo para a segurança da tripulação). 

O GOA do RJ já recebeu equipes de diversos estados para transmitirem seu conhecimento, porém hoje, já foi ultrapassada por alguns deles em equipamento e experiências, tudo por falta de investimento tanto do Governo do Estado quanto da administração do CBMERJ.


NESTE MOMENTO O GOA PEDE SOCORRO!!!


31 comentários:

  1. Para moralizar a instituição, o cara, Alcântara, não pode jogar e apitar ao mesmo tempo, ou seja, ele como DONO DE EMPRESA DE PROJETO DE INCÊNDIO, não pode ser Secretário, é o mesmo que botar a raposa pra tomar conta do galinheiro. E vergonhoso! E o Ministério Publico não pode dizer que não sabia, enfim, visto que até audiência publica teve na ALERJ, e o Vereador toda hora toca no assunto na Câmara. Uma pergunta que não pode calar! Por que o FUNESBOM contratou paisano pra atender no quartel Central? O efetivo do mesmo não é suficiente! Gostaria que o Vereador fizesse uma solicitação do Ministério Público o por quê disso.

    ResponderExcluir
  2. Agora querem colocar a SOBRASA guela abaixo no âmbito do grupamento marítimo . Cuidado pois querem privatização o serviço do GMar . Abram o olho GUARDAVIDAS pois por trás desse projeto vem em seguida a privatização e os lucros com associados , venda de livros , eventos e equipamentos . ABRAM OS OLHOS E ENXERGUEM , NÃO SIMPLESMENTE VEJAM .ALGUNS COMANDANTES DE GMAR TEM INTERESSE , E ATÉ ALGUNS OUTROS OFUCIAIS QUE ESTÃO FORA . A CASA VAI CAIR . Aguardem .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OS GUARDA VIDAS já estão de olhos abertos a muito tempo.
      Ou esqueceran-se quem foi que acordou quase toda uma cidade.

      Excluir
    2. É Gmar,glorificai ao Senhor e não aos Homens,pois quando lotou as orlas tinham paisanos,combatentes,gse,enfim todos que realmente acreditam.Unidos Somos Fortes,com suas palavras,querendo se alto promover,não ganha nada com isso,um pouquinho de humildade faz bem.

      Excluir
  3. O CSM também pede socorro . Atenção senhores!!!
    Todos os subcentros vão perder mais de 70% de seus efetivos no final do ano. Os que sobrarem não vão dar conta do serviço, a última turma de qbmp 03 foi em 2002 , se estão querendo privatizar a manutenção vão quebrar com o orçamento da instituição, existem equipamentos que não se faz a manutenção em qualquer oficina. Atenção...ano que vêm têm a olimpíada e vai dar zebra , o mundo estará com os olhos voltados pro Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  4. Quero ver se o mesmo deputado que resolveu abrir uma CPI contra os altos salarios dos juizes do RJ,tem o mesmo peito para abrir uma CPI no cbmerj,não tenho duvidas disso,mas TB pode não a acontecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quero ver quem vai levar o Cbmerj a sério.

      Excluir
  5. É para saúde nada apesar do governador sérgio cabral firmar compromisso com os bombeiros De 10p

    ResponderExcluir
  6. Primeiro concurso de 2002 , TODO, EU DISSE TODO ELE FOI FRAUDADO. CEL PAULO JUNTO COM POSTULANTE A VEREADOR PAULINHO FILHO, COLOCARAM MESQUITA E NILÓPOLIS EM PESO DENTRO DO CBMERJ.

    ResponderExcluir
  7. Mestre dos Magos5 de junho de 2015 15:28

    Economia no cbmerj também é evitar que viaturas do interior viage ao Rio de Janeiro muitas das vezes ou quase sempre desnecessariamente. Poderia fazer essas "reuniões" (da NASA) através de vídeo conferência? O que acham dessa sugestão.

    ResponderExcluir
  8. CPI já em todo cbmerj!!!!!!!

    ResponderExcluir
  9. Tai o porque da renuncia do Simões.
    Acha que não foi o medo de ser investigado por desvio de verbas.
    Se investigarem direitinho, vão achar.

    ResponderExcluir
  10. Por isso que os quarteis, na sua maioria esta caindo aos pedaços e, a alimentação não da nem pra tapar o buraco do dente, fora que esses colchões que pagaram é pra ser deixado pros cracudos dormirem, uma vergonha! Aonde está o dinheiro, o gato comeu, ninguém viu, o gato figiu. Jsf

    ResponderExcluir
  11. Olá, gostaria de conhecer a fonte dessas informações por que não bate a conta!

    Não defendo comandos e sim verdade...

    ResponderExcluir
  12. Vereador, por que o senhor não procura os Deputados Estduais pra pedir a instauração de uma CPI do Funesbom? Não basta reclamarmos e não tomarmos providências. CPI já!!!!!!!

    ResponderExcluir
  13. Por isso que os quarteis, na sua maioria esta caindo aos pedaços e, a alimentação não da nem pra tapar o buraco do dente, fora que esses colchões que pagaram é pra ser deixado pros cracudos dormirem, uma vergonha! Aonde está o dinheiro, o gato comeu, ninguém viu, o gato figiu. Jsf

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estampado no Globo,vem chumbo grosso ai.Cpi na engenharia,funesbom,alô Geraldo Pudim.

      Excluir
    2. Agora não pode ser CPI de cartas marcadas e de " NEGOCIATAS POLÍTICAS ", como foi aquela última que foi publicado aqui no site COM O TÍTULO PAPO DE BOMBEIRO".

      Excluir
  14. Infelizmente, o CBMERJ passa por um momento crítico, de politicagem. Salvem o CBMERJ. CPI, não só no FUNESBOM, mas também, na DGST.

    ResponderExcluir
  15. O CBMERJ precisa de sangue novo, de alguém, definitivamente, comprometido com a Instituição. Tirem os empresários do poder.

    ResponderExcluir
  16. LAVA-JATO BOMBA-JATO . É PRA ONTEM . DOIS JÁ FUGIRAM .

    ResponderExcluir
  17. Vocês entenderam, só em 2014 foram arrecadados 182.000.000,00 só com a taxa de incêndio. Cadê novos equipamentos , cadê um novo hospital maior para os bombeiros , cadê a construção de policlínicas em outros municípios do interior????????? CADÊ O DINHEIRO QUE ESTAVA AQUI ?????????

    ResponderExcluir
  18. 182.000.000,00 é maior que o valor da mega Sena acumulada do final de ano, e isso foi arrecadado somente no ano passado com a taxa de incêndio,

    Qual o motivo de termos os quarteis caindo aos pedaços ?


    Qual o motivo de não termos mais viaturas ?


    Qual o motivo de não ter um novo hospital maior para os bombeiros, já que bombeiros não consegue leitos até mesmo no CTI do seu hospital ?


    Qual o motivo de não existir mais quartéis e bairros com grande centro comercial e shopping não ter quartel nesses bairros ?


    Qual o motivo de não termos mais policlínicas e inclusive no interior ?


    Qual o motivo de não termos mais ambulâncias ?


    Qual o motivo de o CBMERJ não ter mais contingente ?


    CADÊ O DINHEIRO DA TAXA DE INCÊNDIO ???????

    ResponderExcluir
  19. toda essa materia só pq Bombeiros do GOA foram transferidos,,pode ir....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Subtenente BM Valdelei Duarte.6 de junho de 2015 16:10

      Explica melhor aí esse seu comentário Anônimo 6 de junho de 2015 10:23. Desculpa a minha ignorância, não entendi o seu comentário.

      Excluir
  20. O malandrão está cagando e andando. Ele só quer saber de adiantar os processos na diversões públicas.

    ResponderExcluir
  21. È muito dinheiro na mão de gatunos!!! Façam as contas dividindo por 12 mes, dá em media 15 milhões, por mes e, dividindo por 40 quarteis, chegaremos a BAGATELA $$$$$ de 375 mil, por mês para cada UNIDADE DE BOMBEIRO MILITAR, isso mesmo senhores! Ih capitão é mais que meu soldo!!!! Acho que eu vi um gatinho e ele tem estrelas. Cambada de fdp, os quarteis aos pedaços e bombeiro comendo mal, bando de safados! jsf

    ResponderExcluir
  22. Solicito ao amigo e nobre vereador Marcio Garcia que leve isso ao conhecimento do MP estadual e a alerj, para uma investigação e TB uma CPI.

    ResponderExcluir
  23. CPI já no CBMERJ. Tem que fazer como fizeram na PM. Denunciar ao MP, ao Superior Tribunal de Contas. Assim como na PM, ficaremos sabendo quem esta por trás da roubalheira.
    Que vergonha.

    ResponderExcluir

Comentários com palavras de baixo calão, agressivas ou que estimulem a violência ou prática criminosas não vão ser publicados.

Citações ou acusações pessoais somente são publicadas com a identificação do autor do comentário.

Se sentiu ofendido? Quer ter o direito de resposta? Faça contato pelo email (enderecumemaium@gmail.com) ou use os comentários para defender seu ponto de vista.

O BLOG é seu. Use-o com sabedoria.