segunda-feira, 31 de agosto de 2015

O FUTURO DAS CARREIRAS NO CBMERJ. NÃO HÁ SOLUÇÕES MÁGICAS

Falta de concursos públicos, influência excessiva da má política, adequações para beneficiar a alguns e administração desequilibrada levou a corporação a um desarranjo organizacional que talvez algumas gerações paguem muito caro. 

Daí perguntamos: Que culpa você tem nisso tudo?



Na reunião da comissão com as praças muito se disse sobre fortalecimento institucional e de seus integrantes. Cremos que ninguém discorde disso. Porém, como fortalecer as bases da carreira se não alimentarmos ela com ingresso de homens? 

Como uma organização poderá ter um fluxo saudável se não há admissão? a Lei 5.175/2007 que fixa o quadro de vagas para soldado estabelece 7.024 vagas, quando o número existente é de um pouco mais de 700 homens?

Hoje vivemos uma realidade que era previsível, quando de maneira irresponsável se dizia: “Se não posso dar aumento de salário dou promoções” num primeiro momento soava maravilhoso aos ouvidos, entretanto, os danos que essa medida causaria, a mesma geração que a ouviu já colhe.

Nosso objetivo com este texto é mostrar que naquela época onde se buscava melhoria salarial, o ilustre comando, ao invés de buscar soluções verdadeiras junto ao governo, apresentou uma solução paliativa, que foram as chuvas de promoções. 

Agora quando mais uma vez estamos diante de uma situação gravíssima, onde devemos buscar soluções eficazes, novamente o comando tenta buscar soluções mágicas, correndo grande risco de sacrificar os integrantes desta corporação. 

Tudo isso porque se acovardam em lutar por concursos públicos e se escondem atrás da conveniente frese: NÃO SOMOS DONOS DA EMPRESA.

Conveniente, cômodo e confortável, achatar as carreiras de quem está em baixo, desestimulando o militar de estudar, ascender na carreira profissional através de seus esforços e dedicação. Atribuem a culpa a várias questões, que quando comparadas com outra instituição muito semelhante a nossa (Polícia Militar) não a vemos sofrer do mesmo mal. Por que será? 

A crise de representatividade legítima no CBMERJ, que lute por seus interesses é latente. E por sermos gerenciados por quem não quer se expor aos governos em nome da corporação que dizem amar e servir, é que corremos mais uma vez o risco de não termos a solução adequada para um problema institucional grave, mas sim uma manobra que nem mesmo seus idealizadores sabem mensurar as consequências que terão.

Talvez esse fosse o momento de darmos um passo unindo experiência profissional a capacidade intelectual, e apresentarmos ao governo o Plano de carreira único, onde ao final da carreira teríamos um Cel Full, (pleno em todos os sentidos) com amplo conhecimento profissional, administrativo, organizacional e gerencial da corporação.

Uma única porta de entrada para todos

Ingresso na corporação: Nível médio;

Progressão na carreira das praças: Por tempo de serviço ou concurso interno regular respeitando os interstícios;

Ascensão ao oficialato: 3º Grau Completo;

Promoção para Major: Pós-graduado em alguma especialidade útil a atividade de bombeiro;

Promoção a Coronel Full: Mestrado Profissional


Nossa geração poderá continuar marcando a história do CBMERJ. O que você pensa sobre o plano de carreira único? 

domingo, 30 de agosto de 2015

RESPEITO AOS QUE ENTENDEM QUE DEVEM RETIRAR O FUNDO DE SAÚDE

Objetivando esclarecer e dar subsídios legais aos que entendem que pelo fato do nosso hospital não ser bem administrado, afetando diretamente a relação custo benefício, e estão retirando o desconto do fundo de saúde; é que daremos as devidas orientações procedimentais, a fim de não permitir que esses militares sejam desrespeitados e constrangidos em seus direitos.




A princípio, tínhamos que a cobrança compulsória do Fundo de Saúde para BM's e PM's já havia sido declarada inconstitucional pelo Tribunal de Justiça.

Daí, surgiu a controvérsia sobre os militares terem, ou não, garantido o direito ao atendimento na rede hospitalar da corporação, mesmo após cessarem o pagamento ao fundo.

A decisão do TJRJ foi clara e didática, creio que a simples leitura dos trechos da lavra do Des. Mauro Dickstein, que foi o relator do caso, fale por si só, vejam:


"(...) o tratamento médico em hospital especializado a corporação  é  uma  prerrogativa dos policias e bombeiros militares prevista em lei, que tem natureza remuneratória e alimentar, e não consubstanciam, pois, regalias injustificadas, mas sim garantias fundamentais necessárias a assegurar que as funções dos policiais e bombeiros militares sejam bem exercidas em relação aos resultados de interesse público que a sociedade espera que se produza”


Quanto à extensão aos dependentes, este foi ainda mais claro, como segue:

"A extensão da assistência médico-hospitalar aos dependentes, igualmente em risco em razão da atividade ostensiva exercida pelo policial/bombeiro, inequivocamente, gera nos militares estaduais a tranquilidade necessária ao exercício de suas funções"


Agora, para quem tiver o atendimento negado, a orientação é a de fazer uma parte, entregar na Sad da unidade hospitalar que você tiver, pegando o recebido. Depois busque imediatamente a associação para ingressar com uma medida judicial, a ser analisada caso a caso.


SOS BOMBEIROS: Mais uma vez trazemos este assunto em pauta por acreditarmos que o bombeiro não se alegra em retirar o desconto do fundo de saúde; nem acredita na “economia” que estaria fazendo, mas sim, porque o atendimento ofertado não agrada, necessitando urgentemente de melhorias. Somente através de um atendimento de excelência é que teríamos as motivações corretas para o militar não interromper o desconto.

Entretanto, aos que entendem que devem retirar o desconto, que sejam respeitados em seu direito ao atendimento, bem como os dos seus dependentes; não sofrendo qualquer tipo de represália ou coação. Afinal, a assistência médico-hospitalar é de natureza remuneratória e alimentar. 

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

BOMBEIROS REALIZAM SIMULAÇÃO NO SHOPPING BOULEVARD CAMPOS


Fonte Redação/Ascom


A unidade do Corpo de Bombeiros de Campos (5ºGBM) realizou na manhã desta quinta-feira (27/08) um simulado de salvamento e combate a incêndio no Boulevard Shopping, em Campos. O treinamento, que começou às 11h, serviu para avaliar a atuação dos militares durante um atendimento de emergência e socorro em um local de grande porte.

A simulação também serviu para verificar a capacidade da corporação em um evento real, que aconteça no interior ou na parte externa da edificação. Entre os exercícios, os militares atuarão no combate a incêndio, sinalização de segurança e emergência, controle do pânico, assim como no salvamento e resgate de vítimas. A ação que durou 40 minutos, também avaliou os dispositivos de segurança do Shopping, que foram aprovados.

Na simulação, participaram 25 bombeiros, que simularam atendimento a seis vítimas, que teriam se ferido num incêndio no depósito de mercadorias do shopping. Foram utilizadas oito viaturas, sendo três combate a incêndio, uma de salvamento, uma com escada mecânica, além de duas ambulâncias e um carro de apoio. Um caminhão com capacidade para 30 mil litros de água, outro com capacidade para 10 mil litros e outro com cinco, foram utilizados.

“Temos normas disciplinadoras que nos orienta a realização de exercícios desse tipo em locais que reúnam grandes públicos ou que possam trazer risco à população em caso de acidentes, como fábricas, usinas, entre outros. Escolhemos o shopping devido ao seu porte e a sua estrutura de segurança que poderá ser utilizada na atuação dos bombeiros durante o exercício”, contou o comandante do 5º GBM, Tenente Coronel Paulo Rodriguez.

Ainda de acordo com o Paulo Rodriguez, a escolha pelo shopping para simulação foi devido o incêndio que ocorreu no começo do ano em um shopping no Rio de Janeiro.

Para o gerente de marketing do Boulevard Shopping, Douglas Oliveira a ação foi importante para avaliar os melhores recursos do Shopping e estabelecer a parceria com o Corpo de Bombeiros.

No final da simulação, os representantes do Shopping receberam um certificado e um planejamento operacional.  

Fonte Redação/Ascom



Fonte:http://novosite.ururau.com.br/cidades/ad407555e5e4e3621d4ec67bb8c5e26e037a932b_bombeiros_realizam_simulado_no_shopping_boulevard

REUNIÃO DA COMISSÃO DE REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS COM AS PRAÇAS

Nota informativa aos leitores bombeiros sobre a reunião desta semana.



Aconteceu na tarde do dia (26) no auditório A do quartel do comando geral, o encontro da comissão que trabalha na reestruturação dos planos de carreiras de praças e oficiais com os 70 militares que voluntariamente se inscreveram para contribuir com ideias.

Recebemos os relatos dos que estiveram presentes e apresentaremos aqui na íntegra.

O sub secretário de Defesa Civil, Cel Saraiva, deu início aos trabalhos apresentando a linha de ideia da comissão para corrigir as distorções em nossa pirâmide hierárquica:

- Informou que o governo disponibilizou 600 vagas para ingresso de soldados na corporação em 2016;

- Apresentou a vertente do projeto principal que seria acabar com o CFC e o CFS (objetivando manter por um pouco mais de tempo homens na atividade fim, na tentativa de oxigenar a base da pirâmide hierárquica). 

- As promoções seriam somente por tempo de serviço como segue o atual interstício até a graduação de subtenente com 25 anos de efetivo serviço;

- CHOAE a partir de 3° SGT — A praça ao chegar ao posto de 3º sargento (com 12 anos de serviço), mais o interstício de 3 anos, (somatizando 15 anos), e um curso de nível superior no curriculum pessoal, estaria apta a concorrer direto ao CHOAE. (O curso seria por um período de aproximadamente 1 ano na academia de bombeiro em Petrópolis)

- Também editaria-se lei para promover ao posto de 2º tenente o subtenente que somatizar 32 anos de serviço, semelhante a lei que contempla os tenentes coronéis BM;


Todas estas ideias foram apresentadas sem maiores detalhes, ainda estão realizando estudos para se ter certeza da viabilidade, segundo informou o Subsecretário.

Depois de apresentada a linha de ideia principal, franqueou a oportunidade aos presentes para contribuírem com ideias. 

Todas as propostas apresentadas pelas praças foram anotadas e serão discutidas pela comissão na próxima reunião no dia 02 de setembro.

Também foi concedido pelo Subsecretário de Defesa Civil o ingresso na comissão de mais uma praça, o Sgt Erlon Alves, do QOCG.

A grande novidade mesmo ficou por conta da possibilidade do 3° SGT com nível superior poder concorrer ao CHOAE. No mais é refletirmos sobre o que nos foi apresentado e continuarmos a debater com seriedade o futuro do CBMERJ e seus integrantes. 

SOS BOMBEIROS: O sentimento dos presentes foi de que a missão é complexa e a decisão final certamente desagradará a alguns. Por isso o esforço terá que ser no sentido de não prejudicar os que já fazem parte da corporação e ajudaram a construir as melhorias que hoje temos. Bem como estabelecermos contato com as praças integrantes da comissão para darmos a eles mais ideias de soluções para os nossos problemas.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Em atenção as diversas postagens e comentários a respeito do polêmico assunto do FUNDO SAÚDE informamos:


Todo parecer oficial da associação em relação a esse assunto foi colocado em uma ÚNICA matéria redigida por nós, anterior intitulada: NOTA - PARECER OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO SOS BOMBEIROS - FUNDO SAUDE.

Nossa orientação nos casos em que o militar não for atendido deve ligar 190 chamar a polícia e fazer o registro da ocorrência de violação de direito, ou omissão de socorro dependendo do caso.

O indivíduo NÃO NECESSITA especificamente da Associação S.O.S. Bombeiros para tomar providências, lhe cabendo diversos recursos:

- Recorrer ao Ministério Público, com denúncia formal (costuma ser mais eficiente que a anônima);

-Recorrer ao Ministério público por denúncia anônima (as vezes é menos eficiente mas preserva o anonimato);

 -Entrar com recurso través da Defensoria Pública;

-Mover ação judicial com o advogado particular da preferência do militar ou familiar;

 -E finalmente, caso recorram a nós, disponibilizaremos a assessoria jurídica da Associação S.O.S. Bombeiros para proteger o direito do militar e seus familiares conforme determina nosso estatuto.

Colocamos o acesso a nossa UNICA matéria anterior para em caso de dúvidas, facilitar a pesquisa: ”NOTA - PARECER OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO SOS BOMBEIROS - FUNDO SAUDE  nela há um segundo link onde todos podem ler ou baixar a decisão judicial final e por sugestão, (não por obrigatoriedade) podem até levar impressa para o hospital, pois acreditamos que isso por si já evitará problemas.

Para fins de esclarecimento, há diversos editores neste blog e para evitar dúvidas quanto a autoria, todas as postagens da Associação S.O.S. Bombeiros tem o logotipo da Associação SOS Bombeiros, e esse, bem como o nome fantasia da instituição Associação S.O.S. Bombeiros são Marcas Registradas, sendo seu uso e concessões, direito EXCLUSIVO da mesma, cabendo as respectivas sanções na forma da lei, a quem violar esse direito restrito.

Portanto, reiteramos que qualquer matéria, mesmo que venha a nos citar, se não estiver composta com a nossa logomarca, NÃO É POSTAGEM DE NOSSA AUTORIA dessa forma, não nos cabe qualquer responsabilidade por elas.

Assumimos total responsabilidade sobre as matérias redigidas por NÓS e postadas nesse blog e nos demais meios de comunicação disponíveis, mas nos reservamos o DIREITO de rotular nossas matérias para que não haja dúvidas sobre qual delas cabe reputar a entidade.

Atenciosamente,

Associação S.O.S. Bombeiros

2º GMAR - REGIDO PELA BATUTA INFLEXÍVEL DO TEN CEL LORITE

Estávamos aguardando o tempo passar para não nos precipitarmos, cometendo injustiças em relação a um trabalho que ainda se iniciava, porém o tempo já nos mostra o tom da batida do regente Lorite.


Desde que assumiu ao comando do 2º Gmar - Barra da Tijuca, O Ten. Cel BM Glauco Lorite Motta - RG 19.184 se posiciona de maneira fria, bem distante da tropa, de suas necessidades, do diálogo, do contato com aqueles que jogam no mesmo time. Vale—se da hierarquia para dificultar o acesso a sua pessoa, faz questão de seguir todo o trâmite "militar", em evidente intenção de não permitir que alguém cogite a posibilidade de chegar perto.


O reflexo já se percebe em vários os aspectos pela unidade: Na motivação das atividades dos guarda-vidas, nas instalações físicas, nas condições de trabalho e escala de serviço. Vejamos:


Instalações físicas:

"A unidade hoje não conta mais com firma de limpeza, enquando outras unidades têm. Com o número de militares bem reduzidos (uns sendo deslocados para trabalharem no CBA XI, outros para provas profissionais e um grupo significativo destinado para o csmar, ou seja, esvaziamento total na escala) tudo está bem largado.


Sanitários e miquitórios desativados há meses




O alojamento está com um mau cheiro terrível por causa dos colchões mofados e cheios de ácaros. Já foram de doação do hotel e após vários anos de uso (só no quartel eles já estão há mais de 3 anos) é tempo de substituir.
Como o pessoal não consegue dormir no alojamento, improvisaram o cassino como alojamento permanente





Cisternas e caixas d'aguas sem manutenção, estão cheias de lama




Ar condicionados que poderiam dar mais um conforto aos militares estão jogados ao ar livre, estragando se a sol e maresia.



 
O mesmo acontece com os botes, Jetski, carroça para transporte de botes os quais acabaram em desuso por estarem expostos ao tempo, sem abrigo adequado.






Péssimo estado das viaturas com grades e outras partes enferrujadas e quebradas, placas apagadas. As de transporte de guarda vidas para a praia, sem bancos (são transportados no chão da viatura), sem sistema de alarme sonoro, sem luzes de emergência fucionando, conforme prever o código de trânsito brasileiro, limpadores de parabrisas das viaturas com defeito, pneus carecas. Todos correndo risco de se envolverem num acidente grave.

Sistema de bombas expostos sem nenhuma proteção, com tampas e boeiros precários e com exposição de ferros enferrujados, podendo causar acidentes e possíveis doença como tétano

O ambiente na unidade está cada vez mais saturado. A mensagem que chega até a tropa é de que é asim mesmo que as coisas vão ser. A intenção dos Gv's é resolver os muitos problemas, principalmente os de escala de serviço, permutas, alimentação... Questões da vida cotidiana de um quartel, todavia sem diálogo fica inviável.

O tempo em que o técnico do time administrava só de longe já se foi comandante. Participação, interatividade, diálogo, interesse, camaradagem e bom humor, são algumas das virtudes dos grandes líderes e gestores que levaram suas equipes a patamares bem elevados."



Ten Cel Lorite, motive—se e conduza sua tropa com a atenção, o carinho e  respeito que ela merece. 

Não havia necessidade de expormos isso aqui. O diálogo é uma ponte de conduz ao entendimento!

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

PAPO FRANCO AO COMANDO DO CBMERJ

Desde que se tornou oficial a não obrigatoriedade ao desconto do fundo de saúde (depois da edição da súmula aprovada pelo órgão especial do TJ, por entenderem que a assistência médico-hospitalar é de natureza remuneratória e alimentar) o secretário de defesa civil e os comandantes de unidades, tem se engajado em persuadir, através de discursos extensos e enfadonhos o bombeiro, para que o militar não retire o desconto do contracheque.




SOS BOMBEIROS: Nós do SOS Bombeiros não estamos aqui na torcida contra o que é bom para o CBMERJ. Temos consciência de que na teoria termos um hospital só nosso, com profissionais bombeiros atendendo a corporação é ÓTIMO, MARAVILHOSO, IDEAL. Porém, as administrações passadas se apresentaram indiferentes as necessidades dos militares, além dos muitos problemas: 

- Mal atendimento no SPA (o sistema como um todo);

- Dificuldade na marcação de consultas;

- Burocracia para realizar exames laboratoriais;

- Profissionais que não tem sua carga horária respeitada, refletindo no atendimento;

- Fila de espera longa para exames e cirurgias;

- Uma rede de saúde que não contempla principalmente os militares do interior, dentre outros...

Estes problemas se arrastam comando a comando, e ninguém dá uma solução. Lembramos que recentemente a corporação incentivou ao bombeiro a aderir a convênios privados junto a Unimed através da FABOM, ou seja, atestando que o nosso sistema não cumpre bem com seu papel.

Fica mais honesto e convincente, comandante Alcântara, o senhor nas suas explanações de quase 2h (vide o exemplo no CSM) pedir uma oportunidade aos bombeiros para sua administração. Fazer presságios de horror, tentar deturpar a interpretação da lei para que o militar fique na dúvida se ele pode retirar o desconto ou não, apelação, definitivamente não é a melhor estratégia.

Para que não fiquem por aí dizendo que o SOS só quer tumultuar, achincalhar, deixaremos aqui a dica para que o senhor e sua equipe consiga manter o desconto dos bombeiros em contracheque.

ATENDIMENTO DE EXCELÊNCIA NAS UNIDADES HOSPITALARES E POLICLÍNICAS. BEM COMO TRANSPARÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS

Como agora está claro e pacífico que é dever do ESTADO/CBMERJ ofertar saúde para seus integrantes e dependentes; uma vez que estamos pagando além do que se deve, somos clientes, e o mínimo que pode ser oferecido é um ótimo atendimento.

Temos certeza que desta forma ninguém irá pensar na hipótese de retirar o desconto do fundo de saúde. A tropa não é contra o Hospital do Corpo de Bombeiros, o que não dá é pra continuar sendo enganado...

REFLITAM NO PAPO!!!

domingo, 23 de agosto de 2015

POLICIA E BOMBEIRO UNINDO ESFORÇOS PARA MELHOR ATENDER SEUS PROFISSIONAIS

Termo de cooperação técnica prevê melhorias nos serviços das duas corporações



O comandante-geral do Corpo de Bombeiros RJ, coronel Ronaldo Alcântara, recebeu no início da tarde desta quinta-feira (20/08), a visita do comandante-geral da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ), coronel Alberto Pinheiro Neto, acompanhado por uma equipe de oficiais da corporação.

Na ocasião, foi assinado um termo de cooperação técnica entre as duas instituições para realização de serviços na área da saúde.

- Formalizamos hoje uma parceria que já existia entre as instituições. Com este convênio, nossos profissionais passarão a trabalhar também no Hospital Central da Polícia Militar. O material comprado pela PM servirá para os militares do Corpo de Bombeiros, assim como a Policlínica da Polícia Militar em Itaperuna, que não tinha o número de profissionais de saúde necessário, receberá reforço da Policlínica do Corpo de Bombeiros em Campos, para que todos sejam atendidos no maior número de especialidades possível - disse o coronel Ronaldo Alcântara.

De acordo com o coronel Pinheiro Neto, o objetivo é que, tanto os bombeiros militares quanto os policiais militares, sejam melhor atendidos no sistema de saúde.

- Estamos organizando nossos serviços, somando esforços para atender melhor o nosso grupo inteiro, certamente este vai ser o início de um processo bastante proveitoso para ambas as partes - disse o comandante-geral da PMERJ.

Após a assinatura do termo de cooperação, o coronel Pinheiro Neto foi homenageado com um almoço no refeitório do Comando-Geral.

SOS BOMBEIROS: A principio parece bem interessante a parceria realizada entre as corporações co-irmães para atender suas demandas na área saúde. Ainda nos falta um pouco de informação quanto a operacionalização prática desta parceria. Ex: poderemos nos dirigir até o HPM para sermos atendidos numa emergência?

Outro detalhe que nos preocupa um pouco é que os efetivos são muito diferentes, e numa parceria ambas as partes precisam se doar proporcionalmente para que todos sejamos beneficiados, porque se não, a carga de trabalho dos profissionais de saúde do CBMERJ poderá aumentar significativamente, e o atendimento aos bombeiros ficar dificultado devido ao crescimento do contingente trazido por parte da polícia.

Como já dissemos, ainda falta algumas informações; mas o nosso desejo é que dê realmente certo, principalmente para os militares do interior que sofrem, desassistidos, há anos.  

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Vereador quer transformar Banda do Corpo de Bombeiros em patrimônio cultural do Rio

"Salvar vidas através da arte e proteger a riqueza musical do nosso país com suas legendárias apresentações". 

Com este lema, a Banda Sinfônica do Corpo de Bombeiros Militar do Rio de Janeiro vem representando a corporação em eventos e comemorações pelo país afora. E com o intuito de preservar este trabalho de grande importância para a história do Estado, o vereador Marcio Garcia (PR) quer declarar a Banda como Patrimônio Cultural Imaterial da população carioca. O Projeto de Lei (PL) foi encaminhado no dia 11 de agosto à Mesa Diretora da Câmara Municipal e aguarda por aprovação.



A banda foi criada em 30 de outubro de 1896 e, atualmente, é considerada uma das mais atuantes organizações militares musicais no país. Tudo começou quando o Tenente Coronel Eugênio Rodrigues Jardim, que comandava interinamente o Corpo de Bombeiros, solicitou em 27 de outubro de 1896, ao então Ministro da Justiça e Negócios Interiores, Alberto Torres, autorização para criar uma Banda de Música, atendendo a um antigo desejo de Oficiais e Praças da Corporação. O pedido dava existência efetiva a uma instituição musical cujo destino histórico iria ligar-se indelevelmente à vida cultural da cidade. A resposta do ministro foi imediata. No dia 30 de outubro de 1896, a proposta era atendida, mas com a ressalva de não acarretar "ônus para os Cofres Públicos". Na mesma presteza da correspondência oficial, o Maestro Anacleto Augusto de Medeiros foi convidado para organizar e dirigir o novo conjunto musical. Anacleto de Medeiros era compositor, professor e regente, formado em clarineta pelo conservatório Nacional de Música em 14 de dezembro de 1886, hoje Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O corpo de Bombeiros, que sempre foi admirado pelo povo com muito carinho, começou a receber donativos para a Banda de Música. Assim, a banda dos Soldados do Fogo nasceu com a ajuda de empresas e de cidadãos interessados, protegida e incentivada pelo carinho do povo.

O documento proposto pelo vereador dá dimensão da importância da atuação da banda no Estado, destacando que o grupo de bombeiros já participou de grandes projetos musicais nacionais, entre eles o Aquarius. Além disso, nomes de peso já subiram no palco ao lado da banda, como os maestros Villa-Lobos, Isaac Karabtchevsky e Francisco Mignone.

"Não pairam dúvidas que a base desta honrável banda sempre foi a cidade do Rio de Janeiro, e tem contribuído para o desenvolvimento artístico e musical da cidade e do país, levando música de artistas de todos os tempos e países para as mais diversas comunidades, contribuindo para o desenvolvimento cívico e patriótico do nosso povo, sem deixar de lado o seu papel dentro da Corporação: o adestramento da tropa, cerimônias militares com as honras de praxe e visitas oficiais de autoridades", destaca um dos trechos da PL.

Atualmente, a banda conta com 108 militares músicos e é comandada pelo Capitão Bombeiro Aurimar Bento Donato, que também assume o cargo de maestro titular.



ANIVERSARIANTES DO MÊS

SENHORES, ESTAMOS PREPARANDO A COMEMORAÇÃO DOS ANIVERSARIANTES DO MÊS DE AGOSTO MAS DESSA VEZ TEMOS 02 MOTIVOS MUITO ESPECIAIS:


Uma auxiliar de enfermagem moradora de  Guadalupe teve sua residencia destruída por um incêndio. Seu prejuízo envolve a estrutura da casa, roupas, mobilha eletrodomésticos, enfim, tudo que lhe pertencia. Nossa associação foi procurada e resolvemos então somar forças aos motociclistas da região para minimizar o sofrimento dessa trabalhadora que luta sozinha para criar a filha de 04 anos e ainda sua sobrinha de 15 anos. 




por motivo de segurança não revelamos a identidade da vítima, já que o incêndio foi provocado por fogos de artifícios clandestinos e a mesma teme represálias. TODA arrecadação do evento será  revertida em refazer e mobilhar a casa.
O segundo motivo, que não poderíamos esquecer,  é o aniversário do nosso irmão e companheiro de lutas Leão da Montanha!  

Então motociclistas e bombeiros tem um bom motivo para comemorar, se divertir e fazer o bem. 

A prefeitura, os moto-clubes, até o Dr. Silvana vem ajudar, você não pode perder essa! 

Associação S.O.S. Bombeiros
Rua Amboína, 27 loja C  
- Guadalupe Rio de Janeiro-RJ
Aberto das 09:00 às 17:00.
Telefone temporário: 99162-0702

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Dia 20/08 - Último dia para inscrição na reunião de reestruturação da carreira das praças

Amanhã, dia 20 de agosto, é a data limite para inscrição na reunião do dia 26 de agosto (quarta-feira) para participar da reunião que ajudará a reestruturar a carreira das praças.




SOS BOMBEIROS: Acreditamos que essa oportunidade dada pelo comando geral tem que ser aproveitada ao máximo. Se organizem e se inscrevam, não se omitam em participar deste fórum. É seu futuro e de sua família.

domingo, 16 de agosto de 2015

70 vagas para a próxima reunião de reestruturação da carreira das praças

Podemos até duvidar das boas intenções do comando, mas fato é que temos que reconhecer que atitude igual a esta, ainda não foi lembrada dentro de nossa corporação. 


O comando geral abriu a oportunidade para 70 praças participarem da próxima reunião de trabalho, apresentando sugestões e ideias, que discutirá a melhor forma de reestruturar a pirâmide hierárquica do CBMERJ.

















As inscrições para participar se iniciou nesta segunda-feira 17 e irá até o dia 20, no Gabinete da subsecretaria de Estado de Defesa Civil no horário do expediente.

SOS BOMBEIROS: A hora é esta, o fórum é este. Vamos aproveitar essa oportunidade para participar a ajudar a construir o melhor para o futuro das praças de nossa corporação.

Fundo Saúde - Opinião Pessoal



Sou o 3º Sgt Pedro Ivo, Lotado atualmente no DBM 1/16 – Carmo, venho aqui, neste canal, de livre e espontânea vontade, expor minha opinião, sobre um tema que a tempo vem desgastando nossa briosa corporação, FUNDO SAÚDE. Senhores (as) não estamos aqui defendendo nem A, nem B, nem o que é Certo, ou o que é de direito, nem o que deve ou não ser feito, acredito que toda a estrutura da Associação SOS Bombeiros-RJ, vem a público dirimir dúvidas e se colocar a disposição dos associados e simpatizantes, Creio não querer se aproveitar de nenhuma situação para tirar proveito, aja visto ser composta de Bombeiros, para Bombeiros, lembrando que não faço parte dos quadros de diretores nem conselheiros da mesma, sou somente um associado.
Senhores (as), vamos aos fatos: Indaguei meu Comandante, Ten Cel Leal, comandante do 16º GBM, sob qual pretexto foi firmado tal contribuição, FUNDO SAÚDE, pois nos fora informado que tal contribuição foi constituída para construção/reforma do HCAP, findada tal finalidade, continuou a referida cobrança, “já sei, uns vão dizer: cadê a prestação de contas, cadê os convênios do interior, cadê as melhoras, vários CADÊS virão.......” mais o que que mais importa, CADÊ O EMPENHO DO ESTADO NA SAÚDE PÚBLICA, já sei também: “Pedro Ivo é obrigação do Estado dar Saúde, Educação, Segurança, dentre outras coisas” e o que faz o Estado? Agora me de liberdade de pontuar alguns CADÊ: “Cadê o IASERJ, Cadê o Hospital José da Costa Moreira, para quem não sabe esse é o hospital da Policia Civil, Cadê os hospitais Estaduais, Cadê, Cadê?”
Amigos como informei acima também sou do interior, pior que alguns municípios, não temos nem emergência conveniada com o CBMERJ, tipo: Day (Nova Friburgo), São José (Teresópolis), alguns outros Municípios também possuem, mas prefiro não dizer por não conhecer em sua totalidade, mas Amigos (as), não estamos aqui dizendo só de consultório, estamos aqui dizendo em grande parte de HOSPITAL, pois consultório, temos vários quartéis com médicos de várias especialidades, se não temos, podemos sentar com o Comandante e solicitar, se ele assim permitir, é claro, AGUARDO ANSIOSO, A VISITA ITINERANTE DO COMANDANTE GERAL  em minha unidade, para levar a ele, essa e outras tantas ideias para nossa corporação. POREM creio que não será dessa forma, retirando o fundo saúde de nosso contra cheque, que iremos resolver nossa situação financeira, mas CREIO que dessa forma iremos sim resolver de uma forma definitiva a situação de NOSSO HOSPITAL, pois em tempo não muito distante, quanto tínhamos um convênio com o SUS (Sistema Único de Saúde), recebíamos uma ajuda do Governo, porém era uma dificuldade marcar consulta, cirurgia, procedimentos e exames, hoje temos um HOSPITAL, SÓ NOSSO, Senhores(as) olhem para o lado e veja a situação critica que nosso País atravessa, instabilidade econômica, dificuldades financeiras, será que um dia não iremos precisar de NOSSO HOSPITAL, e quando precisarmos, como esperamos encontra-lo? Aparelhado, com médicos e material, ou pior que está agora? Vi certo dia alguns amigos informando que iriam operar em NOSSO HOSPITAL, sinal que não está tão ruim, não digo que está a mil maravilhas, mas vamos ser realista, em comparação a saúde que o Estado proporciona o NOSSO HOSPITAL, pode ser considerado muito bom. Já sei também, temos muito a melhorar, temos MUITO A EVOLUIR, muito a conquistar, mas acredito que somente JUNTOS iremos lograr êxito.
Senhores (as), vamos dar uma oportunidade ao NOSSO HOSPITAL, isso é minha humilde opinião, Pedro Ivo, esse valor não irá resolver nossa situação financeira, mas muitos irmãos de farda, familiares, parentes, precisam dele, vamos cobrar melhorias, vamos cobrar melhor empenho de nossos Comandantes que às vezes tomam atitudes que pensamos ser erradas, às vezes pode até ser, mas sempre a família BOMBEIRO leva a melhor, poderia aqui enumerar, atitudes corretas e boas para a corporação, como também equivocadas, mas que no final o BOMBEIRO MILITAR levou a melhor, mas não estamos no tempo de brigar, discutir, apartar, temos que nos juntar para assim a NOSSA FAMILIA, O NOSSO HOSPITAL, sobreviver.
Recebi informações que, em breve, teremos inspeções periódicas em nossos CBA´s, não sendo mais necessário nosso deslocamento para a Capital, teremos médicos, consultórios, em núcleos nos CBA´s, estamos longe do final feliz, porém mais perto do que ontem, qual legado iremos deixar para a geração futura, essa conquista, ou a incerteza do amanhã?
            Esse texto é de inteira responsabilidade do 3º Sgt Pedro Ivo, lotado no DBM 1/16, ala 2.

Nossas vidas começam a terminar no dia em que permanecemos em silêncio sobre as coisas que importam.

sábado, 15 de agosto de 2015

NOTA - PARECER OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO SOS BOMBEIROS - FUNDO SAUDE

A assistência médico-hospitalar tem natureza remuneratória e alimentar para a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros, por isso deve ser prestada aos membros dessas corporações e a seus familiares, independentemente da contraprestação de qualquer tipo de contribuição. 


Esse não é simplesmente o nosso parecer, mas sim  o teor de uma súmula aprovada pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio Janeiro para pacificar a questão nas câmaras cíveis da corte. A orientação foi publicada no Diário da Justiça na última sexta-feira (31/7), encerrando alguns anos de contenda judicial e determinando um veredito final para questão.
O caso, que chegou ao Órgão Especial do TJ-RJ por meio de um incidente de uniformização suscitado pela 2ª Câmara Cível, envolve o pedido de um policial militar para garantir atendimento no Hospital Central da Polícia Militar do Rio para ele e a família, mesmo sem ter contribuído para o fundo de saúde da Polícia Militar.
A questão era controvertida no TJ-RJ. Uma consulta à jurisprudência revelou a existência de decisões da 2ª, 4ª, 10ª, 13ª, 15ª, 16ª, 19ª, 20ª e 21ª câmaras cíveis que reconhecem o direito à assistência médica. Ao mesmo tempo, verificaram-se acórdãos da 1ª, 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª, 9ª, 17ª e 18ª câmaras cíveis contrários à manutenção do atendimento pela rede própria de saúde da instituição militar para quem optou por não contribuir.
O tema gerou discussão no próprio Órgão Especial. O caso começou a ser julgado no dia 20 de julho, mas um pedido de vista adiou a decisão. Apenas na sessão da semana seguinte a questão foi definida, ainda assim por maioria de votos — 11 dos desembargadores presentes votaram pelo indeferimento do pedido. O entendimento agora deverá ser aplicado por todas as câmaras cíveis do TJ-RJ. 

Privilégio:

O desembargador Mauro Dickstein, que relatou o incidente, rejeitou o argumento do procurador do Estado de que configuraria privilégio permitir o atendimento àqueles que não contribuíram. Ele lembrou a decisão do próprio Órgão Especial que afastou a obrigatoriedade da contribuição.

“Parece não ser razoável excluir os benefícios estatutários garantidos por legislação própria, notadamente após o reconhecimento da inconstitucionalidade da contribuição compulsória para o fundo de saúde, por este Órgão Especial, prevista na Lei Estadual nº 3.465/2000”, afirmou.
Para Dickstein, é um contrassenso exigir a contraprestação para tratamento médico de policiais e bombeiros, que, em serviço, estão sempre sujeitos a acidentes, lesões e morte. “O mesmo ocorreria se, a pretexto de inúmeros falecimentos, se exigisse uma contribuição funerária para o sepultamento desses militares.”
O desembargador destacou que o hospital da corporação não pertence à rede pública de saúde, mas existe desde antes da criação do fundo de saúde, “restando claro que a manutenção do nosocômio não estaria inviabilizada pela falta de contribuição mensal do beneficiário direto do serviço, mesmo porque o seu custeio advém de outras fontes”.
Dickstein lembrou que o tratamento médico em hospital especializado da corporação é uma prerrogativa dos policias e bombeiros militares prevista em lei, que tem natureza remuneratória e alimentar. “Prerrogativas não consubstanciam, pois, regalias injustificadas, mas sim garantias fundamentais necessárias a assegurar que as funções dos policiais e bombeiros militares sejam bem exercidas em relação aos resultados de interesse público que a sociedade espera que se produza”
Segundo o desembargador, o atendimento às famílias dos integrantes da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros no hospital da corporação também tem previsão legal. “A extensão da assistência médico-hospitalar aos dependentes, igualmente em risco em razão da atividade ostensiva exercida pelo policial/bombeiro, inequivocamente, gera nos militares estaduais a tranquilidade necessária ao exercício de suas funções”, destacou.
Obviamente e por unanimidade de votos, o parecer oficial de nossa associação é concomitante com a lei e a decisão da justiça.  Contudo, respeitamos o livre arbítrio de cada indivíduo, por isso em vez de iniciar uma Ação Civil Pública, decidimos que cada individuo deve ser livre para requerer ou abrir mão do Direito. 
Os interessados em requerer o ressarcimento, devem enviar copia de RG e CPF por e-mail para    associacaososbombeiros@gmail.com  com título: Fundo Saúde e seguir as instruções. 
Para apreciação dos autos na integra, sem edições, basta clicar no link abaixo.
http://s.conjur.com.br/dl/decisao-hospital-policiais-bombeiros.pdf

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

25 ANOS DE DEDICAÇÃO AO CBMERJ

Hoje completa 25 anos que mais um grupo seleto que ingressará no Corpo de Bombeiros Militar do estado do Rio de Janeiro em 1990, aceitando o desafio de servir a população mesmo com o sacrifício da própria vida.


Saldamos aos heróis do Fogo e do Mar que neste dia já podem comemorar está marca, e a promoção ao maior posto das praças já publicada em D.O.E. 

Subtenentes Bombeiro Militar que a trajetória de todos vocês continue a abrilhantar Corpo de Bombeiros mais antigo do Brasil.




SUCESSO A TODOS EM SUAS CARREIRAS!!!

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Comissão para reestruturação das carreiras quer acabar com cursos regulares e o quadro de acesso

Em primeiro encontro da comissão de reestruturação das carreiras de praças do CBMERJ, nesta última quarta-feira 12/08, o entendimento inicial é de que a solução para o desequilíbrio na pirâmide hierárquica da corporação é extinguir os cursos regulares e o quadro de acesso, transformando todas as promoções por tempo de serviço, agrupando as QBMP's em 4 grupos de QBMG, todos numa única fila.

Teríamos promoções somente por tempo de serviço, quem desejar se graduar, ascender na carreira, buscar ao oficialato, terá um obstáculo quase que intransponível.

Ainda não tem nada decidido, a próxima reunião foi marcada para o dia 02 de setembro, porém o encaminhamento é nesse sentido. 
O mais surpreendente é que a maioria das praças que compunham essa comissão se convenceram de que está é uma ótima ideia.

A principal argumentação apresentada é de que o objetivo seria manter pelo menos por 16 anos o militar na atividade fim, até segundo sargento.


SOS BOMBEIROS: Estamos muito preocupados com tal proposta, uma vez que ela é diametralmente oposta ao que outrora era pregado aos quatro cantos pela última administração.

Há meses atrás, por iniciativa do comando geral, diminuíram o interstício e editaram cursos internos com muitas vagas. A proposta era: já que não posso dar aumento dou promoção.

Tal medida foi tomada sem maiores debates. Resultado: o CBMERJ virou de pernas pro ar. Tolo foi quem creu que a motivação era dar aumento, a verdadeira motivação era esfriar o movimento reivindicatório que vinha com muita força. Agora que quase tudo voltou ao normal, surge uma ideia antagônica, que retira e praticamente impossibilita a ascensão na carreira. Compreendam. 

1 - Você será promovido a 3º sargento com 12 anos de serviço ativo. 2º sargento com 16 anos. 1º sargento com 20 anos. Para daí então, depois de vinte anos, e de cumprir interstício de 2 anos na graduação, se tiver saco, poderá talvez, prestar concurso para o CHOAE. (raciocínio seguindo os prazos vigentes)

2 - Mata-se com o estimulo ao estudo, a busca pelo mérito, a possibilidade de melhoria salarial. Coloca-se todos numa vala comum não reconhecendo os que amam a carreira de bombeiro e querem ascender nela; chegar ao oficialato, contribuir com a corporação.

3 - E quanto aos que hoje pertencem ao quadro de acesso? todo o esmero, empenho e abnegação para galgar a graduação, como ficaria seu futuro, seus sonhos, seus ideais? 

4 - A luta de muitos pela construção de um plano de carreira que permita de maneira justa, aos que desejam e tem aptidão, o crescimento profissional, a competição saudável pela conquista, seria totalmente destruída; aniquilada.

Enfim, queremos através deste post, provocar a você que representa aproximadamente 85% da corporação a debater sobre os seguintes tópicos:

Você gostaria de ter participado da escolha das praças que compunham a comissão?

Você concorda com a linha de ideia e soluções discutidas pela comissão?

Deixe sua sugestão sobre qual seria a forma mais adequada e justa de reequilibrar o quadro hierárquico do CBMERJ?