quarta-feira, 1 de junho de 2016

SE MEU FUSCA FALASSE II

A NOVELA CONTINUA:

Chegou ao nosso conhecimento que no Destacamento 1/21 - Santo Antônio de Pádua-RJ, comandado pelo Senhor Cap BM Otávio Luiz, “Persona non grata” entre seus superiores, pares e subordinados, teria ocorrido descarte inadequado de material/equipamento pertencente a Fazenda Pública. Coincidência ou não, mais uma vez um veículo Volkswagen, modelo Fusca, teria sido o pivô desse episódio. 


“Uma imagem vale mais que mil palavras”. 


Na primeira imagem, no dia 26/02/2016, visualizamos o registro da Praça Encarregado de Motorista, onde o mesmo mediante autorização de seu Comandante, o "carismático" Capitão Otávio Luiz, teria cedido três acumuladores (baterias) automotivas a um  senhor de nome Izaias da Silva, CPF - 769.134.497-04, tendo o cuidado, inclusive de registrar marca, capacidade e tipo dos artefatos entregues, informa ainda que tal cessão estaria sendo realizada à titulo de descarte.


SE tal assentamento for autêntico, alguns questionamentos tornam-se óbvios: A ordem emanada por aquele Oficial encontra respaldo na legislação vigente? Aqueles itens PERTENCENTES À FAZENDA PÚBLICA foram descartados respeitando-se os protocolos? Façamos uma reflexão. Seria possível doar uma viatura da corporação para o Senhor “Fulano de tal”, tão logo a mesma atinja o limite de sua vida operacional? Sabemos a resposta.  Não existe diferença entre uma viatura do CBMERJ e uma Bateria (acumulador) dentro do contexto aqui apresentado, correto? Ambas são equipamentos pertencentes a Fazenda Pública e como tal, tão logo finde suas vidas úteis/operacionais, deverão ser "baixados" obedecendo todo um protocolo, o que segundo as imagens, não ocorrera.  



Na segunda imagem deparamos com o famigerado Fusca, Placa KTK - 6788, adentrando aquela Unidade. Após consulta no site do DETRAN (terceira imagem) constatamos que o mesmo coincidentemente pertence a um cidadão cujo nome também é Izaias. segundo informações este veículo teria sido utilizado para a retirada do suposto material, e que seu condutor seria o mesmo cidadão que figura no registro do Encarregado de Motorista daquela OBM, naquela dia.

Partindo do principio que a praça é apenas e tão somente elemento de execução, e que portanto teria executado uma Ordem, como tão claramente consta em seu registro já elencado nessa matéria, gostaríamos que seu Comandante exercendo seu sagrado direito de resposta, dirimisse as  dúvidas acerca do SUPOSTO episódio. 

30 comentários:

  1. Isso é verdade é pelo que sei a bateria teria sido vendida

    ResponderExcluir
  2. Ele vendeu as baterias e isso é de conhecimento de todos no dbm.
    Ninguém aguenta mais esse sr no destacamento.

    ResponderExcluir
  3. Na verdade foram vendidas quatro baterias:
    - 01 de 150 amperes pelo valor de R$ 170,00;
    - 01 de 45 amperes pelo valor de R$ 50,00;
    - 02 de 90 amperes pelo valor de R$ 80,00 cada;
    Totalizando R$ 380,00 para o bolso de alguém?

    ResponderExcluir
  4. Se continuar assim, daqui a pouco ele vai vender até o ABS - 057, e ainda dependendo do valor pago leva-se de brinde o ASE ou o ARC, você escolhe.

    ResponderExcluir
  5. Pra quem já vende folga, umas baterias não é nada.

    ResponderExcluir
  6. Isso sem falar no v5 que está em oficina particular de um amigo do Sr° capitão Otávio Luiz onde será pago o conserto com o dinheiro do Rancho do DBM, valor esse acertado na surdina com o mecânico.
    Isso porque temos a oficina do cbmerj para faze-lo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só que a oficina do CBMERJ, não divide o valor do conserto com ninguém. Já o mecânico sim.

      Excluir
  7. Estou denunciando tudo isto no MP.

    www.mprj.mp.br/cidadao/ouvidoria

    MP nele.

    ResponderExcluir
  8. Vocês são convardes! Podem acusar o Cap Otávio de qualquer outra coisa, mas de desonestidade é um absurdo!
    Bateria é bem de consumo e não patrimonial. Aliás carcaça de bateria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leva ele para sua casa , ops esqueci que vc não gosta todos sabem quem é vc que está defendendo afinal o dinheiro fica em suas mãos.

      Excluir
    2. É a babá ovo e todos sabemos quem é pois ela também é a x9 dele e acha que ninguém sabe.

      Excluir
  9. O babá ovo VC querendo defender este senhor acaba de confirmar o que foi dito ele vendeu as baterias e não foi carcaça

    ResponderExcluir
  10. Não importa se é bem patrimonial ou de consumo
    O que importa que é um bem do estado sim
    Será que posso eu vender uma colher do quartel ou as juntas de cobre das mangueiras ou sobras de combustível? É honesto isso? Se não é particular é do Estado!E tem que ser apurado sim!
    Não tem defesa isso!Se não fez por má intenção fez por incapacidade administrativa!

    ResponderExcluir
  11. Vendeu e embolsou o dinheiro se quiserem apurar é só ir até o comércio do referido sr Isaías que fica em Pádua é perguntar ao mesmo o que ele foi fazer no interior do DBM na referida data e quanto ele pagou?
    Todos sabem e sabemos também quem intermediou a venda não é mesmo sr sargento do DBM?

    ResponderExcluir
  12. Bem de consumo, ou material permanente. Nada disso pode ser vendido. Não posso vender uma viatura. Como também, não posso vender 10 quilos de arroz.
    Tudo pertence ao Estado, e se não serve mais para o mesmo, tem que ser descarregado, e depois leiloado.

    ResponderExcluir
  13. Não foram só baterias que o mesmo vendeu, pois foram vendidos até os pneus reservas que o destacamento possuía.Sem contar os outros das viaturas anteriores que o DBM possuía, e não serviam para o ABS, ASE, ARC, AR, E V5.
    Todo o $$$$$$$ foi para o bolso de alguém.
    Quem será?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele vendeu os pneus que estavam no almoxarifado, e depois colocou várias carcaças inúteis no lugar.
      Tem até carcaça toda rasgada. É só ir lá e conferir, pois ele colocou todas as carcaças na garagem dos fundos do DBM.
      Tudo pra disfarçar.

      Excluir
  14. Tem gente que tá com tanto medo, que até tá usando fralda geriátrica ao invés de cueca.

    ResponderExcluir
  15. Agora ele está ligando para o pessoal para que mintam pois foi aberta uma sindicancia ele quer que todos digam que não houve dinheiro na transação e que digam que foi apenas discarte mas todos sabem que foi pago pelo sr Isaías valores diferentes por cada bateria.
    Busquem a fundo que irão descobrir que a ordem foi dada pelo capitão Otávio Luiz como está registrado nos livros do quartel os quais são documentos oficiais .
    Ele está ligando lá para Pádua o dia todo hoje atrás dos envolvidos para convencemos a mentir ,todos sabem disso lá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tanto vendidas, como doadas as mesmas. Ele cometeu crime, pois existe regras severas para doação de material do Estado.
      E devido o material está em boas condições, já é uma irregularidade, sem falar em outras.
      O mp tomara as providências cabíveis, e doa a quem doer.

      Excluir
    2. Ele passou os dias 30, 31 e 01, ligando para os envolvidos. Tudo para ameaçar e precionar à todos a mentir. E o pior é que quando o MP quebrar o sigilo telefônico dos envolvidos, e comparar as escalas de serviço de oficial de dia de itaperuna, verá que ele tava de serviço no dia 31.
      E assim pode, de serviço e cometendo crime.

      Excluir
  16. por favor republiquem essa materia pois foi aberto ipm do fato e o comandante do DBM esta coagindo os militares envolvidos no caso a mentir no ipm, mandando falar que nao houve pagamento pelas baterias

    ResponderExcluir
  17. É só o mp quebrar o sigilo telefônico dos envolvidos, e notar as ligações.
    Tendo em vista que já existe uma denúncia no MP de Pádua, pois eu mesmo fui o responsável pela mesma.
    Agora de mão de mais estas provas, estarei hoje entregando os números telefônicos de todos os envolvidos, com nome, endereço e rg. Igualzinho consta no plano de chamada.
    MP nele.

    ResponderExcluir
  18. QUE FIM LEVOU..........? O IPM DA MAJOR CARLA DE 1\2 RAMOS, DAQUELE ESQUEMA DOS FANTASMAS A PREÇO DE 2.000 X 4 = 8.000,00. POIS ESSE ERA O NUMERO DE FANTAMAS 4, A COMIDA ERA LINGUIÇA NO CAFÉ, ALMOÇO, JANTA, E CEIA. A TROPA SANGRANDO E SE FU..... ENTROCA DE NADA, NADA... E FORA AS PERSEGUIÇOES, A QUEM ERA CONTRA OU TINHA DITO NÃO A ALGUM FAVOR. SE ELA PEDIR E VOCE NÃO FIZER AHHHH COITADO!!! E TOME MEMORANDO!!!! COM A PALAVRA, AJMERJ OU ARQUIVA-SE POR SER PEIXE DO CMTE GERAL, NADA MUDOU NO MUNDO DE FAZ DE CONTA DO CBMERDA!JSF

    ResponderExcluir
  19. Este é apenas o primeiro ROUND, mas lembrem que em uma luta de boxe existem doze ROUNDS.
    E com isso logo teremos o segundo ROUND.

    ResponderExcluir
  20. Muitos estão se perguntando o real motivo de eu ter esperado tanto para divulgar este delito.
    Uns falam que é para esperar que as baterias fossem vendidas a terceiros, já outros, que foi para não ter como fazer a devolução do material. Tudo isso tem lógica, mas o real motivo, foi que passei os dois meses seguintes à venda das mesmas, gravando as conversas de todos os militares do dbm sobre o assunto. Principalmente os envolvidos ( com quem se encontra o $$, SUBTEN; e quem intermediou a venda, quem recebeu o $$, quem entregou elas, os três SGTs; até o sd que veio com o irmão e o pai ao dbm), e realmente o que um celular na mão certa pode fazer é impressionante.
    Agora quero ver este pessoal mentir no IPM, e depois serem desmascarados no MP, pois todos os áudios já se encontram com o promotor de Pádua.
    Lembrem que é muito difícil esconder uma verdade. E que mentir em juízo é crime.

    ResponderExcluir
  21. a casa vai cair p quem mentir,pensem bem anter de dar depoimento , nao sejam covardes contem a verdade .a verdade acima de tudo .

    ResponderExcluir
  22. É do conhecimento de todos no DBM, que ele está utilizando o cargo de comandante, para intimidar todos os envolvidos. Está pressionando a todos para dizerem que não houve dinheiro algum, e que foi doação. E o pior é que ele está utilizando o celular para fazer os contatos.
    Inclusive, esta dizendo a todos no destacamento, que fez tudo autorizado por seus superiores, e que eles já tinham sido informados sobre o assunto, antes mesmo de acontecer. E que o comandante do 21 GBM ( ten cel Rodolfo ), do CBA ( cel Firmino ) o autorizaram a vender as baterias. E que comunicaram a seus superiores, ( cel Robadei e cel Alcântara ).
    Inclusive está afirmando que um fato parecido já tinha sido autorizado em um DBM do 5 GBM, onde outro capitão comandante tinha feito igual a ele: vendido uns pneus do DBM.
    Então será que temos mais pessoas envolvidas, tanto direta como indiretamente, ou até que prevaricaram.
    Tudo isso é um prato cheio para o MP investigar.

    ResponderExcluir
  23. Porque a DGPAT, não vai no DBM e faz um pente fino em tudo. Começa a procurar as duas pinças para répteis, que ele vendeu. E muito mais.
    Mas vai com a Corregedoria e o GEP, pois vai sair alguma estrela de camburão, e vai direto para o chelindró.

    ResponderExcluir
  24. Em breve teremos uma nova postagem.
    Só que agora daremos nomes aos bois.
    E apresentaremos os áudios que comprovam a venda e os envolvidos.

    ResponderExcluir

Comentários com palavras de baixo calão, agressivas ou que estimulem a violência ou prática criminosas não vão ser publicados.

Citações ou acusações pessoais somente são publicadas com a identificação do autor do comentário.

Se sentiu ofendido? Quer ter o direito de resposta? Faça contato pelo email (enderecumemaium@gmail.com) ou use os comentários para defender seu ponto de vista.

O BLOG é seu. Use-o com sabedoria.