quinta-feira, 30 de março de 2017

Reforma da Previdência: Subtenente Gonzaga se indigna com postura de Temer

Ainda bem que temos alguém para nos defender em Brasília. 

Próximo Passo da Polícia Federal: Prender Juizes, Delegados e Promotores.


O judiciário, a Polícia Civil e o Ministério Público Estadual já estão se preparando para a próxima fase do circuito de operações da PF no Rio. Mais uma vez, a Polícia Federal vai "investigar" o que toda a população do rio está cansada de saber, que o grupo criminoso chefiado pelo PMDB (CABRAL) não tem braços somente na ALERJ e TRIBUNAL DE CONTAS, a influência do grupo invade os muros do Judiciário, da Polícia Civil e do Ministério Público. 

Não precisa nem ser tão inteligente assim para perceber que, sem a ajuda de alguém no Ministério Público, Polícia Civil e Judiciário, seria impossível saquear os cofres públicos durante tantos anos. É evidente que o grupo contava e conta até hoje com apadrinhados em defesa dos seus interesses. 

A política suja do PMDB tomou conta de todos os poderes no rio e subjugou toda a sociedade aos  seus interesses, contaminando instituições que tinham a obrigação de defender a sociedade, mas que acabaram servido para proteger os criminosos e combater os verdadeiros defensores da sociedade e adversários do Bando criminosos que agora está sendo desmantelado.

Mais ainda dá tempo da Polícia Civil do Rio, especialmente o DELEGADO Responsável da Delegacia Fazendária (a quem cabe investigar crimes contra o erário público), ao Ministério Público e aos Juízes Estaduais mostrarem que nem todos foram contaminados nesse mar de lama e começarem a trabalhar e prender a bandidagem de terno e gravata, assim como a Polícia Federal, Ministério Público Federal e a Justiça Federal estão fazendo, e mostrando para o Brasil que ainda existe esperança para o BRASIL.

CORAGEM, FORÇA E HONRA! 

AINDA DÁ TEMPO, TEM MUITO BANDIDO POR AÍ ENRIQUECENDO COM O SUOR DO POVO FLUMINENSE QUE PRECISA SER LEVADO PARA BANGU.

Megaoperação da Polícia Federal prende conselheiros do Tribunal de Conta...


quarta-feira, 29 de março de 2017

DEU RUIM! NÃO VAI SOBRAR UM!!!!!




O Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) é alvo de nova etapa da Operação Lava-Jato no Rio. A delação premiada do ex-presidente do órgão Jonas Lopes de Carvalho levou à ação contra cinco conselheiros em pelo menos dois esquemas de arrecadação de propina para fazer vista grossa para irregularidades praticadas por empreiteiras e empresas de ônibus que operam no estado.

O Ministério Público Federal e agentes da Polícia Federal cumprem, desde as 6 horas desta quarta-feira, mandados de prisão e de busca e apreensão contra os envolvidos.

São alvos de prisão preventiva os conselheiros Aloysio Neves (atual presidente); Domingos Brazão, José Gomes Graciosa, Marco Antônio Alencar e José Maurício Nolasco. Já o presidente da Alerj, Jorge Picciani, é alvo de condução coercitiva. A força tarefa elaborou ação a partir da delação do ex-presidente do TCE-RJ Jonas Lopes Carvalho. fonte

É deu ruim! A polícia federal desembarcou definitivamente no rio de janeiro e começou a "descobrir" o que o judiciário e polícia estadual escondiam já há muitos anos. 

Estão "descobrindo" tudo o que já estávamos cansados de saber, os políticos desviam dinheiro público com o auxílio de empresários, compram deputados, conselheiros, juízes, delegados, fiscais etc, ou seja, submetem todo o Estado à sua vontade e todos enriquecem enquanto a população sofre diariamente em busca de atendimento médico, de uma boa educação para seus filhos, na mão de traficantes, milicianos e muito mais.

Hoje "descobriram" que o voto favorável dos conselheiros do tribunal de contas era remunerado, quem sabe, amanhã, vão descobrir que o voto de alguns deputados favoráveis ao governo também tem preço, que o apoio incondicional de alguns secretários de governo também não sai barato, é, quem sabe um dia a polícia federal irá desembarcar no CBMERJ e descobrir mais algumas falcatruas que todos nós sabemos e nunca vimos ninguém investigar, e nesse dia iremos acordar com a vergonhosa notícia de que viaturas da Polícia Federal estão na porta do quartel do comando geral, cumprindo mandatos de busca e apreensão, e talvez mandados de condução coercitiva contra nossos comandantes e diretores. 

Mas ninguém precisa se desesperar. Ainda há tempo para fazer o que é certo, abandonar a vida do crime e se unir à população de bem do nosso país que está lutando contra a corrupção. 

Clique no link/imagem abaixo e colabore com as investigações. A chegada da PF no CBMERJ está cada vez mais próxima. Não espere ir preso para mudar de lado!

https://sistema.ouvidorias.gov.br/publico/Manifestacao/RegistrarManifestacao.aspx 
 

 

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: RECUO DO RECUO




A ideia, agora, é que governos estaduais e municipais aprovem as próprias mudanças em até seis meses. Se não o fizerem, seguirão regime federal.

Michel Temer recuou do recuo anunciado na semana passada e os estados e municípios serão novamente incluídos no projeto do governo para a reforma da Previdência. A ideia da cúpula federal é que uma emenda seja feita ao projeto a tramitar no Congresso para determinar que os governos estaduais e municipais terão seis meses para aprovar uma reforma previdenciária para seus servidores. Caso não cumpram a diretriz, serão obrigados a seguir as normas do regime federal.

A novidade foi apresentada à base do governo na Câmara pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, no fim da tarde de terça-feira 27, e contraria o anunciado na semana passada.

No último dia 21, em um pronunciamento convocado de forma inesperada, Temer apresentou a retirada dos estados e municípios como um aceno de respeito ao pacto federativo e à independência dos estados para tratar de suas próprias questões previdenciárias. Era, na realidade, uma tentativa de minar a resistência ao projeto que vinha sendo mobilizada por servidores estaduais e municipais.

O passar dos dias deixou claro que o anúncio foi feito de forma apressada, sem reflexão sobre consequências políticas ou mesmo legais. Nos últimos dias, o governo detectou que a retirada dos servidores foi mal recebida pelos governadores e pelo mercado financeiro, segundo o jornal Folha de S.Paulo, além de ser inconstitucional. O artigo 40 da Constituição, por exemplo, prevê regime previdenciário único para os servidores.

Na prática, a emenda dos seis meses vai pressionar governadores e prefeitos, uma vez que os servidores estaduais e municipais vão lutar pela aprovação de uma reforma mais benéfica para a categoria do que a oferecida pelo texto federal. O prazo exíguo deve, entretanto, inviabilizar a aprovação de reformas previdenciárias estaduais e municipais, fazendo com que a maioria dos estados e municípios sigam o regime federal.

Esta situação volta a jogar a pressão dos servidores sobre os deputados federais, em especial os da base do governo, que serão responsáveis por aprovar o projeto a servir de referência para todo o País. Era justamente essa pressão que o governo Temer buscava diluir quando, na semana passada, removeu os estados e municípios do projeto original.

terça-feira, 28 de março de 2017

Salário do Judiciário na mira do PEZÃO.


COMUNICADO OFICIAL DA PRESIDÊNCIA DO TJ AOS SERVIDORES
Prezado(a) Servidor(a),
Venho pela presente informar que diante do repasse de apenas R$ 38.000.000,00, para pagamento da folha de pessoal, foi realizado contato com o Governo do Estado, ocasião em que foi informado que a previsão do repasse integral da folha líquida de pessoal estava estimada para o dia 10/04/2017, o que implica no desrespeito por parte do Poder Executivo do acordo firmado junto ao Supremo Tribunal Federal no Mandado de Segurança nº. 34.483/RJ.
Esta Presidência, não concordando com a posição do Poder Executivo, já está adotando as providências administrativas e judiciais cabíveis para que seja respeitada a autonomia do Poder Judiciário.
Ante o exposto existe incerteza, neste momento, quanto ao efetivo pagamento integral dos vencimentos no dia 31/03/2017. Reitero o compromisso de manter a classe informada acerca do desenrolar dos fatos.
Na oportunidade, colho o ensejo para reiterar votos de estima e consideração.
Rio de Janeiro, 27 de março de 2017
Desembargador Milton Fernandes de Souza
Presidente do Tribunal de Justiça

PEZÃO: 'Se quiser fazer a intervenção (federal), é só trazer a mala de dinheiro'



Numa reunião com deputados e policiais, ontem, Pezão, que tem ido muito a Brasília para pedir ajuda, contou que já falou para Temer e Meirelles que não se agarra ao cargo:
— Se quiser fazer a intervenção, é só trazer a mala de dinheiro. Se for para resolver a situação do Rio, tudo bem.
 




terça-feira, 21 de março de 2017

VIATURA DOS BOMBEIROS CAPOTA NO ACESSO A TRINDADE

quarta-feira, 15 de março de 2017

PEZÃO NA LISTA DE CORRUPÇÃO DA ODEBRECHT

Procurador-geral Rodrigo Janot enviou ao STF 83 pedidos de abertura de inquérito para investigar políticos citados nas delações de executivos e ex-executivos da empreiteira Odebrecht.


O conteúdo das delações dos executivos e ex-executivos da empreiteira Odebrecht está sob sigilo, mas a TV Globo conseguiu apurar nesta quarta-feira (15) com várias fontes a presença de 22 novos nomes de políticos na lista de 83 pedidos de investigação que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou nesta terça (14) ao Supremo Tribunal Federal.

Na terça-feira, a TV Globo já havia revelado outros 16 nomes que fazem parte da lista. 

No total, já são 38. Nos depoimentos dos delatores, segundo a TV Globo apurou, são mencionados os nomes de pelo menos 170 pessoas, entre as quais políticos com foro e sem foro privilegiado.

Muitos dos nomes já foram citados em depoimento do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho, que veio a público em dezembro do ano passado.

Dentre os novos nomes que a TV Globo apurou, há mais um ministro do governo Michel Temer, além dos cinco já revelados nesta terça. É Marcos Pereira, do PRB, atual ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

Na lista também há pedidos referentes a pelo menos cinco governadores, que deverão ser analisados pelo Superior Tribunal de Justiça – o foro de governadores é no STJ; o de deputados e senadores no STF.

Veja abaixo os novos nomes:

Ministros

Além dos cinco ministros revelados nesta terça, também está na lista:

  • Marcos Pereira (PRB-RJ), da Indústria, Comércio Exterior e Serviços


Governadores

Cinco governadores que aparecem na lista são os seguintes:

  • Renan Filho (PMDB), de Alagoas


  • Luiz Fernando Pezão (PMDB), do Rio de Janeiro


  • Fernando Pimentel (PT), de Minas Gerais


  • Tião Viana (PT), do Acre


  • Beto Richa (PSDB), do Paraná


Senadores

Do Senado, mais quatro nomes que vão para análise do Supremo:

  • Lindbergh Farias (PT-RJ)


  • Jorge Viana (PT-AC)


  • Marta Suplicy (PMDB-SP)


  • LÍdice da Mata (PSB-BA)


Deputados

Entre os deputados federais que foram citados pelos delatores, estão:

  • Marco Maia (PT-RS)


  • Andres Sanchez (PT-SP)


  • Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA)


  • José Carlos Aleluia (DEM-BA)


  • Paes Landim (PTB-PI)


Políticos sem foro

Há políticos e outras pessoas citadas na lista que não têm foro em tribunais superiores e, por isso, terão o caso analisado por outras instâncias da Justiça. Entre elas estão:

  • Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), ex-ministro do governo Temer


  • Sergio Cabral (PMDB-RJ), ex-governador do Rio de Janeiro, atualmente preso


  • Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Câmara, atualmente preso.


  • Duarte Nogueira (PSDB-SP), prefeito de Ribeirão Preto


  • Paulo Skaf (PMDB-SP), candidato derrotado a governador de São Paulo em 2014


  • Edinho Silva (PT-SP), ex-tesoureiro da campanha de Dilma Rousseff, atual prefeito de Araraquara


  • Anderson Dornelles, ex-assessor direto da ex-presidente Dilma Rousseff


SAIBA O QUE DISSERAM OS POLÍTICOS QUE APARECEM NA LISTA

Acusações

Os pedidos de investigação enviados ao Supremo trazem acusações de crimes como corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro, fraude à licitação, formação de cartel e caixa 2.

O ministro Luiz Edson Fachin, relator da lava Jato no Supremo, evitou falar sobre o tempo que levará para decidir sobre os pedidos da Procuradoria Geral da República.

O ministro não tem prazo para tomar decisão sobre a abertura de inquéritos ou sobre o fim do sigilo das delações. Ele só decidirá depois que receber e analisar centenas de documentos entregues pela PGR. 

Por enquanto, está tudo guardado numa sala-cofre no terceiro andar.

Antes de os pedidos chegarem ao gabinete do ministro Fachin, tudo tem de passar pelo protocolo do Supremo. Os 320 pedidos do procurador Rodrigo Janot (dos quais 83 de abertura de inquérito) já começaram a ser cadastrados no sistema do STF e receberam um número. 

Agora, estão em fase de processamento. Esse trabalho só deve terminar na sexta-feira.

Nomes já conhecidos da 'lista do Janot'

Dentre os 38 nomes revelados pela TV Globo nestas terça e quarta que integram a lista do procurador-geral Rodrigo Janot enviada ao STF, há:

Seis ministros do governo Temer – Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria Geral), Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia), Bruno Araújo (Cidades), Marco Pereira (Indústria, Comércio Exterior e Serviços)


Cinco governadores: Renan Filho (Alagoas), Luiz Fernando Pezão (Rio de Janeiro), Fernando Pimentel (Minas Gerais), Tião Viana (Acre), Beto Richa (Paraná)

Seis deputados: Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara; Marco Maia (PT-RS); Andres Sanchez (PT-SP); Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA); José Carlos Aleluia (DEM-BA); Paes Landim (PTB-PI)

Dez senadores: Eunício Oliveira (PMDB-CE), presidente do Senado; Edison Lobão (PMDB-MA); José Serra (PSDB-SP); Aécio Neves (PSDB-MG); Romero Jucá (PMDB-RR); Renan Calheiros (PMDB-AL); Lindbergh Farias (PT-RJ); Jorge Viana (PT-AC); Marta Suplicy (PMDB-SP); LÍdice da Mata (PSB-BA)

Dois ex-presidentes da República – Luiz Inácio Lula da Silva (PT); Dilma Rousseff (PT)
Dois ex-ministros do governo Dilma – Antonio Palocci (PT); Guido Mantega (PT)

Um ex-ministro do governo Temer – Geddel Vieira Lima (PMDB-BA)

Um ex-governador – Sérgio Cabral (PMDB-RJ)

Um ex-presidente da Câmara – Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

Dois prefeitos – Duarte Nogueira (PSDB-SP), de Ribeirão Preto; Edinho Silva (PT-SP), de Araraquara

Um ex-candidato a governador – Paulo Skaf (PMDB-SP)

Um ex-assessor da ex-presidente Dilma Rousseff – Anderson Dornelles

Partidos

Veja a distribuição por partido dos nomes da "lista do Janot" revelados pela TV Globo:

DEM – José Carlos Aleluia, Rodrigo Maia

PMDB – Edison Lobão, Eduardo Cunha, Eliseu Padilha, Eunício Oliveira, Geddel Vieira Lima, Lúcio Vieira Lima, Luiz Fernando Pezão, Marta Suplicy, Moreira Franco, Paulo Skaf, Renan Calheiros, Renan Filho, Romero Jucá, Sérgio Cabral

PRB – Marco Pereira

PSB – LÍdice da Mata

PSD – Gilberto Kassab

PSDB – Aécio Neves, Aloysio Nunes, Beto Richa, Bruno Araújo, Duarte Nogueira, José Serra

PT – Andres Sanchez, Antonio Palocci, Dilma Rousseff, Edinho Silva, Fernando Pimentel, Guido Mantega, Jorge Viana, Lindbergh Farias, Luiz Inácio Lula da Silva, Marco Maia, Tião Viana

PTB – Paes Landim

Sem partido – Anderson Dornelles