HISTÓRICO (desde abril!)

Nada começou agora: os bombeiros do Estado do Rio de Janeiro realizam ações desde abril de 2011! Nada começou agora!

Conheça os principais passos do processo! Ajude a divulgar!

>> 14 de abril (quinta-feira) – Os trabalhadores encaminharam um documento com as reivindicações à Secretaria de Saúde e Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro (Sesdec). O recebimento do documento foi protocolado pela Sesdec.


>> 17 de abril (domingo) – Caminhada pacífica e ordeira na orla de Copacabana, por bombeiros em trajes civis, desarmados e de folga. Enquanto se manifestavam foram fotografados por bombeiros do serviço reservado (B/2). Durante a manifestação, um avião fretado sobrevoou a orla carioca com a faixa: “BOMBEIROS PEDEM SOCORRO! POPULAÇÃO CARIOCA PRECISAMOS DE VOCÊS!”  Esse foi o segundo avião, já que o primeiro foi impedido de voar e a faixa foi confiscada por agentes do serviço reservado, no Aeroporto de Jacarepaguá.


 >> 19 de abril (terça-feira) – Militares que participaram do ato do dia 17 receberam memorandos para responderem se estiveram presentes ou não na manifestação de Copacabana. À noite, foi publicada no Boletim Interno da corporação a transferência de 36 bombeiros como retaliação.

>> 20 de abril (quarta-feira) – Ato pacífico no Largo do Machado e caminhada até o Palácio Guanabara, na intenção de serem recebidos pelo Sr. Governador. Não foram recebidos por nenhum representante do Governo. Encaminharam-se então à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ), onde foram recebidos. Houve manifestações de apoio de parlamentares presentes. A mesa diretora da ALERJ agendou uma reunião entre a comissão de Bombeiros, o comando do CBMERJ e uma comissão de Deputados para o dia 28 de abril, 10h, no 1º GMar (Botafogo). Todo esse processo foi transmitido ao vivo pela TV Alerj. 

>> 21 de abril (quinta-feira) – Bombeiros tentaram o aquartelamento (permanecer em seus quartéis mesmo em folga, efetuando os serviços normalmente. O direito ao aquartelamento, inclusive com alimentação nos quartéis todos os dias, é direito dos militares). Os militares do 2º GMar (Barra), 3º GMar (Copabana) e 18º GBM (Cabo Frio) foram impedidos de entrar em seus quartéis de origem. Permaneceram em frente ao 2º GMar e 18º GBM, onde dormiram acampados. Os Bombeiros do 1º GMar e do 4º GMar não foram impedidos de se aquartelarem.


>> 22 de abril – Caminhada pacífica à noite do 3º GMar (Copacabana) ao 17º GBM (Leblon), onde acamparam. No 18º GBM (Cabo Frio), os Bombeiros fizeram uma caminhada. Nesse dia, novamente um avião fretado para levar a faixa de divulgação do movimento na orla do Rio foi impedido de voar.

>> 23 de abril – Caminhada pacífica de manhã do 17º GBM (Leblon) ao posto 12 da orla do Leblon.

>> 25 de abril Caminhada pacífica da Candelária ao Quartel Central do Corpo de Bombeiros, no Campo de Santana, onde um ato pacífico foi feito. Devido à tempestade, o acampamento previsto para a noite foi suspenso.




 


>> 27 de abril à noite Ato pacífico à noite na Cinelândia, em frente ao Theatro Municipal, onde o Sr. Governador Sergio Cabral participava de solenidade. Apesar do caráter totalmente pacífico da ação, o Batalhão de Choque da Polícia Militar foi chamado, munido de gás lacrimogênio, armas de efeito moral, escudos e cassetetes.

>> 28 de abril – Os bombeiros militares compareceram ao 1º GMAr, em Botafogo, acompanhados por deputados, para a reunião com o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, Pedro Marco Cruz Machado, agendada pelo presidente da mesa da Alerj em 20/04. O comandante não compareceu e não deu explicações a respeito de sua ausência. Os bombeiros dirigiram-se, então, à Alerj, onde foram recebidos. Recebidos nas galerias da Casa, ouviram os pronunciamentos de deputados estaduais que apoiaram o movimento. Transmissão ao vivo pela TV Alerj. Veja reportagem

>> 3 de maio – O Sr. Governador Sergio Cabral informa, por meio do Sr. Deputado Andre Correa, que negociaria com os trabalhadores em reunião se os mesmos suspendessem a passeata prevista para o mesmo dia, partindo do Largo do Machado ao Palácio Guanabara onde novamente tentariam ser ouvidos, repetindo a tentativa do dia 20 de abril. Os trabalhadores, então, realizam apenas ato no Largo do Machado. Foi prometida reunião no dia seguinte com presença do Sr. Secretário de Estado de Governo Sr. Wilson Carlos.

>> 4 de maio – O Sr. Secretário de Estado de Governo Sr. Wilson Carlos não comparece à reunião agendada com representantes dos trabalhadores e deputados, conforme agendado no dia anterior. Os trabalhadores se dirigiram à Alerj, onde montaram acampamento até dia 12 de maio.








>> 9 de maio – Passeata no Centro, percorrendo da Alerj até a Candelária e Av. Rio Branco.

>> 11 de maio – Ato no cruzamento da Av. Presidente Vargas e Av. Rio Branco.

>> 12 de maio – Ato em frente à Alerj e doação de sangue.

>> 13 de maio – Mais de 1500 trabalhadores participam de caminhada da Alerj até Copacabana, onde fazem abraço simbólico à praia. Auditoria Militar expede pedidos de prisão ilegais contra cinco trabalhadores.

>> 16 de maio – Ato em frente à Alerj, a partir das 8h, enquanto era realizada na Casa uma Sessão Legislativa na tentativa de conseguir ANISTIA para todas as punições empreendidas em retaliação aos trabalhadores.

>> 3 de junho  – Ato em frente à Alerj, seguido de passeata até o Quartel Central, que foi ocupado pelos trabalhadores. INVASÃO VIOLENTA DO QUARTEL CENTRAL PELO BOPE E PRISÃO DOS 439 HERÓIS!!!





 
  












>> 11 de junho  – Soltura por força de Habeas corpus. A luta passa a ser pela ANISTIA criminal e administrativa.

 

 


>> 12 de junho  – Ato pacífico em repúdio à prisão e pela ANISTIA dos  439 heróis presos de forma arbitrária na orla de Copabacana!!!






>> 20 de junho – Reunião de bombeiros com o Comando Geral do CBMERJ convocada nominalmente por meio do Boletim Interno da Corporação. Na ocasião, apesar dos esforços de ambos os lados, não houve proposta compatível com as demandas de anistia e as reivindicações - salário líquido de R$ 2 mil, fim das gratificações, vale transporte e melhores condições de trabalho.

>> 21, 22 e 23 de junho – Reuniões dos heróis que foram presos com a Defensoria Pública.


>> 23 de junho –  Aprovação pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado do Projeto de Lei do Senado n. 325, que "Concede anistia a bombeiros militares do Estado do Rio de Janeiro, punidos por participar de movimentos reivindicatórios". Agora, o Projeto de Lei precisa ser aprovado na Câmara dos Deputados e sancionado pela Presidência da República. Para ler o documento original da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, CLIQUE AQUI [na página 7].

>> 24 de junho  – Doação de sangue em agradecimento ao apoio e solidariedade da população. No total, 35 litros de sangue foram doados por 75 bombeiros e familiares. A coleta de assinaturas para o abaixo-assinado pela anistia aconteceu ao longo de toda a semana, em vários pontos de coleta no Rio de Janeiro.


>> 26 de junho – Ato pela ANISTIA IRRESTRITA, criminal e administrativa, aos 439 heróis presos, a partir das 9h no Aterro do Flamengo. Durante o evento, com a presença de milhares de pessoas, houve coleta de assinaturas para o abaixo-assinado pela anistia. Participaram profissionais da Polícia Militar (identificados pela cor azul), da Educação (identificados pelo preto, em sinal de luto) e da Saúde. Por volta de 13h, uma carreata percorreu a orla do Rio até a Barra da Tijuca. 



     PM NO LOCAL

EDUCAÇÃO NO LOCAL

SAÚDE NO LOCAL

COLETA DOS ABAIXO-ASSINADOS

 CARREATA PELA ORLA


 


 >> 27 de junho  – Os heróis partem para Brasília com o objetivo de garantir a ANISTIA CRIMINAL. A concentração dos ônibus partiu da Alerj às 23h. No total, seguiram na caravana 200 presos mais 115 bombeiros e familiares.

As caixas com abaixo-assinados
pedindo a anistia dos heróis

>> 28 de junho - Data histórica da conquista da ANISTIA ADMINISTRATIVA de todos os militares envolvidos no movimento por dignidade do bombeiro militar. A anistia contempla todos os miliatares presos, inclusive os PMs, e garante anistia para punições aplicadas desde abril, quando o movimento chegou às ruas. O projeto de lei que concede ANISTIA ADMINISTRATIVA foi aprovado por unanimidade pelos deputados presentes, já às 20h, com as galerias da Casa ocupadas por bombeiros e familiares. O projeto de lei votado na Alerj segue para a sanção do governador (Projeto de Lei 664/11). Houve uma manobra para que os deputados que desde a primeira hora apoiaram e defenderam os bombeiros fossem IMPEDIDOS de assinar o projeto de lei. QUEM SÃO ELES: Janira Rocha, Marcelo Freixo, Flávio Bolsonaro, Clarissa Garotinho, Luiz Paulo, Paulo Ramos, Lucinha, Altineu Cortes, Marcio Pacheco, Comandante Bittencourt, Miguel Giovani e Wagner Montes. Não precisamos de assinatura no projeto de lei, sabemos muito bem quem está do nosso lado!!! Na mesma data, também foi aprovada a proposta do governo para antecipação das parcelas do reajuste de 5,5% (já previsto para este ano - Projeto de Lei 571/11) e a proposta de uso de 30% do Funesbom para finalidades como pagamento de gratificações (projeto de lei 595/11). Os deputados que nos apoiam prepararam várias emendas que atenderiam as reivindicações feitas desde abril (salário básico de 2 mil reais, fim das gratificações e vale transporte), mas em votação hoje estas emendas não foram aprovadas pela Assembleia!!!! POR ISSO, A MOBILIZAÇÃO PELA DIGNIDADE CONTINUA! SALÁRIO DIGNO, FIM DAS GRATIFICAÇÕES DISCRIMINATÓRIAS! VALE TRANSPORTE!

Os bombeiros e familiares que acompanhavam os debates nas
galerias da Alerj manifestavam a insatisfação com a fala de alguns
deputados dando as costas para a mesa da Casa.
=

>> 29 de junho - Em Brasília, de manhã, os bombeiros e familiares caminharam pelas ruas da capital até o Congresso Nacional, onde fizeram um ato pela aprovação do projeto de lei que concede a ANISTIA CRIMINAL. No gramado em frente ao Congresso Nacional, eles repetiram a formação do SOS com os corpos, como feito no dia da prisão. Desta vez, a mensagem foi 'SOS DILMA RJ'. Na parte da tarde, representantes dos bombeiros foram recebidos pelo líder do governo, mas houve dificuldades para garantir a votação. Frente a esta situação, já à noite os bombeiros chegaram a se posicionar novamente no gramado do Congresso Nacional e afirmaram que manteriam jejum e de lá não sairiam até conseguir uma solução. O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, se apresentou para o diálogo e informou que havia conseguido uma brecha na pauta de votação da Casa no dia seguinte.


Naquela mesma manhã, no Rio de Janeiro, o Sr. Governador Sergio Cabral concede entrevista exclusiva ao vivo à rádio CBN em que admite publicamente o erro por ter chamado os bombeiros militares de vândalos e tenta rebater os diversos escândalos sobre envolvimento com empresários. Apesar da mea culpa tardia, quase um mês depois, OS BOMBEIROS, SEUS FAMILIARES E A SOCIEDADE JAMAIS ESQUECERÃO AS PALAVRAS E PRINCIPALMENTE OS ATOS: A ORDEM AUTORITÁRIA DE PRISÃO E A ORDEM COVARDE  DE INVASÃO PELO BOPE.



>> 30 de junho - Data histórica em que o projeto de lei que concede ANISTIA CRIMINAL aos bombeiros é aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, em sessão às 10h.

>> 2 de julho - No Dia do Bombeiro, um ato na orla de Copacabana foi realizado para saudar a conquista da anistia, agradecer a solidariedade da população e mostrar a manutenção da luta pela DIGNIDADE. Com o apoio da ONG Rio de Pa, um varal com 439 camisetas vermelhas foi erguido.


>> 12 e 13 de julho - Uma caravana com 420 homens ruma para Brasília na luta pela PEC 300. No dia 12, participaram de reunião da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados e representantes foram recebidos pela secretaria geral da Presidência da República. Na noite de terça para quarta, os militares permaneceram acampados em frente ao Palácio do Planalto. No dia 13, foi conseguida a assinatura do líder do PMDB, Henrique Alves, em prol da votação da PEC 300. A assinatura desta liderança era uma das principais lacunas para que a votação entre em pauta. Outra vitória foi a conquista do apoio da bancada evangélica, num total de 82 parlamentares, à causa da PEC 300.
 
Reunião na Comissão de Segurança Pública e Combate ao
Crime Organizado da Câmara dos Deputados
>> 3 de agosto - No dia em que o episódio do Quartel Central, com as prisões arbitrárias e a invasão violenta pelo Bope, completou dois meses, os bombeiros fizeram  ato nas escadarias da Alerj, onde encontraram professores do movimento da Educação. Seguimos ao Palácio Guanabara, onde mostramos que a luta por dignidade continua. 







>> 8 de agosto - Assembleia de criação da Associação SOS Bombeiros Juntos Somos Fortes (mais informações aqui). 






>> 9 e 10 de agosto - Caravana em  Brasília, na luta PELA ANISTIA CRIMINAL E PELA PEC 300. Bombeiros acampam no auditório da Câmara dos Deputados na noite do dia 9 e fazem ato em frente ao Palácio do Planalto no dia 10. No Rio, aquartelamento. 









>> 21de agosto - Pelotão do SOS Bombeiros participa da Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro.  




>> Desde 30 de agosto - Desde as 16h do dia 30 de agosto, os bombeiros estão na Alerj, dia e noite, na mobilização por dignidade. Na noite do dia 30, o Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Sergio Simões foi à manifestação.

 




4 comentários:

  1. Na tarde de terça-feira fiquei sabendo que o concurso interno para o CHOAE, tem previsto umas 43 vagas, só que o Comando não abre o referido concurso porque tem um peixe dele " SUBTEN BM RONALDO" do Quartel Central que já ultrapassou a idade que hoje até de 51 Anos. Sendo assim tem um projeto tramitando que já se vão dois longos anos, e nada, enquanto nós somos prejudicado por uma falta de carater dos nossos comandantes por conta de beneficios a "A' ou "b". Por favor vamos denunciar. isso.

    ResponderExcluir
  2. Porque na Policia Militar o ato de preterição, atinge a todos, não só aos militares concursados, pois o ato de preterição não diz, que é só para concursado ou não diz sim que toda vez que um militar mais antigo é ultrapassado por um mais moderno se carateriza o ato de preterição. Não havendo com isso a quebra da hierárquia militar.

    ResponderExcluir
  3. Sou militar e tiro serviço no que quartel central e toda vez que entro de serviço, tenho que pegar uma roupa de aproximação de pessimo estado e conservação, o que no final do dia acaba me trazendo um enorme desconforto por coceira, porque não pagaram roupa de aproximação para todos os militares ou os bombeiros do expedientes não são bombeiros ?

    ResponderExcluir
  4. Anônimo : coloquei na justiça porque eu tenho uma gratificação de 150% e estavam me pagando 122%.Voltei à receber a gratificação certa porém até agora ainda não recebi o que me tiraram.Estou aguardando a justiça decidir .Gostaria que S.O.S. Bombeiros lutasse para que voltem à colocar nos contra-cheques o percentual ,porque sem ele é mais fácil roubar.

    ResponderExcluir

Comentários com palavras de baixo calão, agressivas ou que estimulem a violência ou prática criminosas não vão ser publicados.

Citações ou acusações pessoais somente são publicadas com a identificação do autor do comentário.

Se sentiu ofendido? Quer ter o direito de resposta? Faça contato pelo email (enderecumemaium@gmail.com) ou use os comentários para defender seu ponto de vista.

O BLOG é seu. Use-o com sabedoria.